Info

Marcelo Rebelo de Sousa destaca e agradece papel de profissionais dos cuidados intensivos

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 01 mar 2021 (Lusa) -- O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, destacou e agradeceu o papel dos profissionais de saúde que estão nos cuidados intensivos, pelo seu papel no combate à pandemia, que considerou uma "saga nacional".

"Eu queria, em primeiro lugar, louvar a capacidade transformadora operada pelos profissionais da saúde. Mais de uma vez tenho falado de verdadeiros heróis e, dentro dos heróis, os intensivistas são heróis particularmente qualificados e particularmente experimentados, porque têm apoiado aquilo que é uma saga nacional", afirmou o chefe de Estado, num vídeo publicado no 'site' da Presidência.

Marcelo Rebelo de Sousa considerou que estes profissionais têm "apoiado da forma mais importante e significativa, que é através de uma presença dia a dia, hora a hora, minuto a minuto, naquela linha que é uma linha tão complexa que separa a morte da vida".

"Tem sido admirável, embora por vezes angustiante, a capacidade de ajustamento, de adaptação dinâmica, do nosso Serviço Nacional de Saúde, e em geral do sistema de saúde português, às dificuldades que foram colocadas no último ano pela pandemia que ainda nos fustiga", sublinhou.

Na nota que acompanha o vídeo, publicada no domingo, é referido que o Presidente da República "participou, através de uma mensagem gravada, no VII Congresso Internacional de Cuidados Intensivos, promovido pela ASCI - Associação de Apoio ao Serviço de Cuidados Intensivos do Centro Hospitalar do Porto, que se realizou este fim de semana, em formato exclusivamente 'online'".

"E este ano, que tem sido um ano de capacidade de resistência, de resiliência, de equanimidade dos profissionais intensivistas, é um ano que nos serve de lição, a vossa lição, a lição de todos os profissionais da saúde, mas a vossa lição, caros intensivistas", considerou.

Marcelo Rebelo de Sousa aproveitou a ocasião para agradecer "muito reconhecido" aos profissionais de saúde intensivistas "em nome de todos" os portugueses.

"Porque é uma lição que começou na surpresa, no inesperado, como para todos nós, continuou na falta de recursos, no improviso, na necessidade de responder para além dos limites, para além das capacidades durante longos meses, que conheceu nas últimas difíceis semanas situações particularmente complexas e dramáticas que puseram à prova o vosso humanismo, a vossa compaixão, a vossa solidariedade, a vossa competência, a vossa devoção", salientou o Presidente, defendendo que "é de uma devoção que se trata"

Dirigindo-se aos congressistas, o Presidente da República destacou igualmente "a capacidade organizativa da Associação de Apoio ao Serviço de Cuidados Intensivos no inexcedível Hospital Geral de Santo António, que existe desde 07 de novembro de 1994, e que tem um trabalho meritório na defesa dos doentes, em primeira linha, mas também dos profissionais de saúde".

Sobre o congresso, que saudou, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que "há tempo para investigar, há tempo para inovar, há tempo para aprofundar, há tempo para partilhar, mas há, sobretudo, tempo para servir Portugal e os portugueses" e agradeceu "tudo isto acontecer enfrentando a pandemia".

Em Portugal, morreram 16.317 pessoas dos 804.562 casos de infeção confirmados pelo novo coronavírus, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

FM // PTA

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Lei Autárquica: autarcas independentes querem a extinção da CNE 

Os presidentes de câmara eleitos em grupos de cidadãos querem a extinção da Comissão Nacional de Eleições. Segundo os autarcas independentes a CNE está a discriminar os movimentos independentes em relação aos partidos.

Operação Marquês: PR diz que "não pode nem deve comentar o que diz respeito ao poder judicial"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, escusou-se hoje a fazer qualquer comentário à decisão instrutória do processo relativo à Operação Marquês, considerando "não pode nem deve comentar o que diz respeito ao poder judicial".

Marcelo concorda com Costa sobre falta de poderes da EMA nas vacinas

O Presidente da República concordou hoje com o primeiro-ministro sobre a necessidade de a Agência Europeia de Medicamento (EMA) ter mais poder para que cada estado não tenha uma posição diferente sobre vacinas contra a covid-19.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Zoom Zoom Z o o m