Associação do Porto quer que Governo compense bares encerrados face à pandemia

Associação do Porto quer que Governo compense bares encerrados face à pandemia
| Política
Porto Canal com Lusa

A Associação de Bares da Zona Histórica do Porto (ABZHP) solicitou uma reunião com caráter de urgência ao Governo para exigir o pagamento de uma compensação aos bares e discotecas afetados pela decisão de encerrar o setor.

"Espero que o Governo assuma, desta vez, as responsabilidades relativamente às despesas diretas e encargos permanentes dos estabelecimentos, que por decreto do Governo, ficaram impedidas de funcionar. Relativamente às outras [empresas] que abriram terão de ser compensadas pelas quebras e danos comparativamente com o período homologo do ano anterior", afirmou o presidente da ABZHP, António Fonseca, em declarações hoje à Lusa.

Na missiva, que seguiu na segunda-feira, a associação refere que a reunião pretende "analisar a atual situação do setor, bem como o seu futuro, o qual se prevê ser dramático com consequências nefastas e irreparáveis", avaliando soluções e a implementação de medidas compensatórias que evitem o fim do setor.

"Neste momento já não está em causa abrir ou não abrir. Esqueçam lá a abertura, esqueçam a DGS [Direção-geral da Saúde], queremos é que os senhores [o Governo] paguem não só aos que estiveram fechados, como digam como é que vai ser o futuro", assinalou, lembrando que só no Porto, há pelo menos 20 discotecas que nunca mais abriram portas desde março.

António Fonseca salienta que face à evolução da pandemia e à implementação de medidas mais restritivas, a angústia vivida pelos profissionais do setor agravou, perante a incerteza do quanto à reabertura dos bares e discotecas.

Na última semana, avança o dirigente, vários bares fecharam temporariamente, não sabendo, no entanto se vão voltar a abrir portas.

Fonseca recorda que os estabelecimentos que se adaptaram para outro tipo de atividade e que abriram portas no verão não conseguiram recuperar as perdas decorrentes da decisão do Governo de decretar o encerramento da atividade, e que em alguns casos atingem os 90%.

Enquanto isto, as festas privadas continuam a realizar-se sem que as forças de segurança atuem, denunciou o dirigente e presidente da União de Freguesias do Centro Histórico do Porto,

"Uma coisa é certa, as festas privadas continuam a acontecer no Centro histórico do Porto, e sem a polícia fazer o seu dever. As festas privadas continuam a acontecer nas barbas das autoridades. Não estamos a ver medidas eficazes no que concerne à fiscalização", lamentou, insistindo na necessidade do reforço da atuação da polícia.

O autarca teme ainda que o encerramento dos bares e discotecas conduza a um abandono e à vandalização do edificado, como já está a acontecer em algumas zonas da baixa da ciade, nomeadamente na ?Movida'.

"A reunião com o secretário de Estado tem um objetivo: queremos que o apoio a fundo perdido seja decidido de uma vez por todas e segundo queremos saber qual vai ser o futuro, o que é que o governo desta vez está a pensar tendo em conta que chegou a criar expectativas e que essas expectativas foram defraudadas, até pela evolução da pandemia", insistiu.

António Fonseca adiantou ainda que não obteve qualquer resposta aos pedidos de reunião que tem vindo a solicitar a DGS.

"Nem se dá ao luxo de uma resposta automática. Enquanto o governo responde, a DGS, de março para cá nunca se dignou a assinalar a receção dos pedidos de reunião. Isto é a prova evidente que a DGS está em más mãos", disse.

Em outubro, a Associação de Bares da Zona Histórica do Porto lançou uma petição pela criação de um apoio financeiro do Estado para salvar empresas e trabalhadores do setor, tendo sido subscrita até às 11:40 por 2.945 pessoas.

No texto, a associação defende que o apoio a conceder deve revestir a forma de subvenção não reembolsável.

+ notícias: Política

Ministro das Finanças lamenta não poder contar com "valioso contributo" de Sérgio Figueiredo

O ministro das Finanças, Fernando Medina, lamentou hoje "não poder contar com o valioso contributo de Sérgio Figueiredo ao serviço do interesse público", após a renúncia do antigo diretor de informação da TVI ao cargo de consultor do ministro.

Grupo dos 50 responsabiliza a ministra da Saúde e gestores pela crise nas Urgências

O Grupo dos 50 responsabiliza a ministra da Saúde e gestores pela crise nas Urgências. Este grupo, do qual fazem parte personalidades das mais variadas áreas da sociedade civil, critica a realidade que tem marcado sobretudo os Serviços de Urgência de Ginecologia-Obstetrícia e apela ao Governo para que avance rapidamente com medidas estruturais que garantam a continuidade do Serviço Nacional de Saúde.

Montenegro propõe programa de emergência social no valor de mil milhões de euros

O presidente do PSD anunciou, domingo, que o partido entregou no parlamento uma proposta de programa de emergência social para o período de setembro a dezembro, no valor global de mil milhões de euros de ajuda aos mais necessitados.