Jovens cientistas portugueses sensibilizam crianças para a Ciência e a Tecnologia

| País
Porto Canal com Lusa

Coimbra, 04 mai 2020 (Lusa) - Um projeto liderado por dois jovens cientistas portugueses na Alemanha pretende sensibilizar crianças dos países de língua portuguesa a optarem pela frequência do ensino superior e, em particular, por carreiras de Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática.

Liderado por Mariana Alves e Rafael Galupa, investigadores do Laboratório Europeu de Biologia Molecular (EMBL) na Alemanha, o projeto "Cartas com Ciência" tem como objetivo "fomentar trocas epistolares que permitam mitigar barreiras e preconceitos relacionados com o ensino superior e as carreiras de investigação, promovendo a literacia científica e a língua portuguesa".

A iniciativa, segundo um comunicado dos promotores hoje enviado à agência Lusa, será desenvolvida "através de correspondência por cartas entre crianças dos nove países de língua oficial portuguesa e investigadores lusófonos de todo o mundo", através do sítio https://www.cartascomciencia.org/.

O projeto é lançado na terça-feira, Dia Mundial da Língua Portuguesa.

"Muitas destas crianças vão receber uma carta pela primeira vez", sublinha Mariana Alves, explicando que, durante um ano letivo, crianças e investigadores vão trocar um total de oito cartas em quatro rondas, sobre Investigação Científica e carreira, Ensino Superior, Obstáculos e desafios e como superá-los, e Reflexão e património da língua portuguesa".

Rafael Galupa acrescenta que "Cartas com Ciência" vai congregar "investigadores lusófonos espalhados pelo mundo em universidades e institutos, sendo para qualquer pessoa que exerça investigação científica, como técnicos de laboratório, doutorandos, investigadores em pós-doutoramento, chefes de investigação, docentes universitários, entre outros".

"Toda a organização é assegurada pela nossa equipa. Associaremos as turmas participantes - inscritas pelos respetivos professores, a um número de investigadores igual ao número de alunos de cada turma, adotando assim uma política que fomente a inclusão: todos os alunos de cada turma participam no programa independentemente do seu interesse inicial em carreiras científicas", frisa o investigador.

Segundo os responsáveis do projeto, os interesses académicos e/ou recreativos dos alunos - por exemplo, animais, espaço ou corpo humano, e futebol, leitura ou música -, serão tidos em conta na escolha dos investigadores com que se corresponderão".

Para Mariana Alves e Rafael Galupa, ao suscitar um maior interesse pelo universo do ensino superior e da ciência, o projeto constituiu um "passo estratégico" rumo à mudança social, promovendo "a redução das desigualdades e a qualidade na educação dos cidadãos lusófonos, duas das 17 metas de desenvolvimento sustentável estabelecidas pelas Nações Unidas para 2030".

"Mais crianças encararão as carreiras de investigação e o ensino superior como uma possibilidade, especialmente em contextos desprivilegiados", salienta Mariana Alves, recordando o facto de oito dos nove países que têm o português como língua oficial serem países em desenvolvimento, "cinco deles na lista da ONU dos Países Menos Desenvolvidos".

A promoção do português como língua de conhecimento e de oportunidades, que é falada por mais de 250 milhões de pessoas no mundo, é outra das virtualidades destacadas no projeto "Cartas com Ciência".

"No entanto, para muitas crianças que vivem nos PALOP, não sendo o português a sua língua materna, é a língua da escola. É com base nesta realidade que pretendemos promover o português como língua de conhecimento e de oportunidades, de solidariedade e de cooperação entre os PALOP", realça Rafael Galupa.

O projeto conta com a parceria do Instituto Gulbenkian da Ciência e Universidade de Aveiro (Portugal), Osuwela (ONG moçambicana), Instituto Politécnico da Tundavala (Lubango, Angola), CISION e Idea Factory (Portugal).

AMV // SSS

Lusa/fim

+ notícias: País

Sindicato garante que situação do INEM "é muito mais grave do que tem vindo a público"

O presidente do Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar (STEPH) afirmou esta terça-feira que a situação no INEM “é muito mais grave do que o que tem vindo a público” e admitiu a convocação de uma greve.

FC Porto vai ter jogo difícil frente a Belenenses moralizado afirma Paulo Fonseca

O treinador do FC Porto, Paulo Fonseca, disse hoje que espera um jogo difícil em casa do Belenenses, para a 9.ª jornada da Liga de futebol, dado que clube "vem de uma série de resultados positivos".

Proteção Civil desconhece outras vítimas fora da lista das 64 de acordo com os critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) disse hoje desconhecer a existência de qualquer vítima, além das 64 confirmadas pelas autoridades, que encaixe nos critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro.