OE2020: Valorização salarial da função pública custa 715 milhões no próximo ano

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 11 dez 2019 (Lusa) -- A valorização salarial dos trabalhadores da administração pública terá um custo de 715 milhões em 2020, mais 49 milhões de euros face ao ano anterior, avançou hoje o Ministério da Modernização do Estado e da Administração Pública.

Os números constam de um comunicado divulgado pelo Ministério liderado por Alexandra Leitão após as reuniões realizadas esta tarde entre o Governo e os sindicatos da função pública sobre questões orçamentais, nomeadamente aumentos salariais para o próximo ano.

De acordo com o documento, a valorização salarial custará 715 milhões de euros no próximo ano, incluindo progressões, promoções, aumentos salariais, revisão de carreiras e "outros direitos".

Este valor significará um aumento médio por trabalhador de 3,2% em 2020, sublinha o Ministério.

Em 2019, os gastos serão de 666 milhões de euros e, no ano anterior, atingiram 465 milhões, representando 3,1% e 2,2% de aumento médio por trabalhador respetivamente.

O Governo apresentou hoje aos sindicatos da administração pública uma proposta de aumentos salariais para 2020 que tem por base "a taxa de inflação observada até novembro de 2019 (cerca de 0,3%, para todos os trabalhadores)".

A proposta foi criticada pela Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap), Frente Comum de Sindicatos e Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE), que exigiam aumentos superiores a 3% no próximo ano.

DF // ACL

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Ex-ministro das Finanças assume "risco significativo" de Orçamento do Estado para 2025 ser chumbado

O ex-ministro das Finanças João Leão considera que há "risco significativo" de o Orçamento do Estado para 2025 (OE2025) ser chumbado no parlamento, o que poderia causar eleições antecipadas, e de Portugal voltar ao défice no próximo ano.

Bruxelas elogia cortes "permanentes de despesa" anunciados pelo Governo

A Comissão Europeia saudou hoje o facto de as medidas anunciadas pelo primeiro-ministro se basearem em "reduções permanentes de despesa" e destacou a importância de existir um "forte compromisso" do Governo na concretização do programa de ajustamento.

Bruxelas promete trabalhar "intensamente" para conluir 7.ª avaliação

Bruxelas, 06 mai (Lusa) -- A Comissão Europeia está empenhada em trabalhar "intensamente" para terminar a sétima avaliação à aplicação do programa de resgate português antes das reuniões do Eurogrupo e do Ecofin da próxima semana, mas não se compromete com uma data.