Info

Maria Jorge e Mary Beard encontram-se num solo sobre mulheres e poder na Mala Voadora

| Norte
Porto Canal com Lusa

Porto, 21 set 2019 (Lusa) -- Maria Jorge partiu das semelhanças com a historiadora britânica Mary Beard, para explorar um dos livros da autora, "Mulheres & Poder", e criar o espetáculo "#WomenandPower", em cena na Mala Voadora, no Porto, a 30 de setembro e 01 de outubro.

Integrado na programação do festival "Uma Família Inglesa", que a própria companhia organiza, a peça viaja entre o estilo de conferência e o teatro para trabalhar a obra de Beard, em que defende que, "no que toca a silenciar as mulheres, a cultura ocidental tem milhares de anos de experiência".

Na sinopse do espetáculo, que sobe a cena pelas 19:00 de dia 30 e 22:00 de dia 01, podem ler-se as "coisas em comum" entre as duas mulheres.

"Ambas temos os olhos esverdeados, somos loiras, embora ela seja na verdade, mais grisalha, temos o mesmo nome ainda que se escreva e pronuncie de maneira diferente, somos ambas filhas de mães professoras e ambas lemos as 'Metamorfoses' de Ovídio", atira a criadora, atriz e encenadora.

Esta "conferência encenada" assenta, então, numa obra que atravessa a Antiguidade até à campanha presidencial de Hillary Clinton nos Estados Unidos, em 2016, a olhar para as estruturas que pretendem "retirar credibilidade" e voz às mulheres.

"Eu e o Jorge [Andrade, da Mala Voadora] lemos o livro, e ele achou que podia ser engraçado fazer um espetáculo sobre isso. Eu achei engraçado fazer uma conferência, porque é uma espécie de ciclo sustentável de devolução, porque o livro são duas conferências e eu vou fazer uma terceira", explica à Lusa Maria Jorge, referindo-se ao facto de o livro, em Portugal, editado pela Bertrand, reunir textos adaptados de duas conferências da historiadora.

A peça "fazia sentido" no contexto do festival, este ano dedicado sobretudo às questões de género, e vai decorrer num dos estúdios do espaço da companhia, "o que é muito engraçado" pelo meio "mais informal, com cama e cozinha, até meio doméstico".

O espetáculo da portuguesa, que foi apoiada pelo programa Criatório, da Câmara do Porto, acaba por utilizar imagens para as "legendas", seguindo histórias que formam "um mundo meio esquisito que é real".

Nesse mundo habita, sobretudo, o tema do silenciamento das mulheres, e "de que forma é que isso tem a ver com estruturas de poder" já estabelecidas.

"É com mulheres que se fazem passar por homens, que se vestem como homens, para chegar a sítios que associamos a homens. Têm aulas para ter um tom de voz mais masculino, como Margaret Thatcher", revela Maria Jorge.

Ao lado da reflexão sobre o poder e a voz feminina está "o estudo da antiguidade clássica, de mulheres silenciadas", que começa "bem lá atrás, na 'Odisseia', e mulheres transformadas em vacas, em Eco, que fica presa na voz dos outros e não tem voz própria", entre outras figuras.

"É um mundo esquisito, mas é um mundo em que ainda é preciso falar disto, e onde ainda faz sentido as mulheres reclamarem um espaço na opinião pública", comenta a artista, aqui numa primeira criação "mais autoral".

SIF // MAG

Lusa/fim

+ notícias: Norte

Rui Moreira toma hoje posse para terceiro e último mandato no Porto

O independente Rui Moreira toma hoje posse para o terceiro e último mandato como presidente da Câmara Municipal do Porto e, após ter vencido as autárquicas de setembro sem maioria absoluta, estabeleceu um acordo de governação com o PSD.

Trabalhadores das cantinas do Instituto Politécnico do Porto protestam pela reabertura das empresas

Os trabalhadores das cantinas do Instituto Politécnico do Porto, protestaram pela reabertura das empresas, na passada terça-feira. Em declarações ao Porto Canal, os trabalhadores mostram-se "muito preocupados" porque "não se encontram no desemprego e é difícil suportar todas as despesas no dia a dia".

Militares trabalham num posto da GNR de Matosinhos em perigo de ruína

Cerca de 70 militares trabalham num posto da GNR de Matosinhos em perigo de ruína. Em declarações ao Porto Canal, César Nogueira da Associação de Profissionais da Guarda, espera que "o Ministério da Administração Interna não esteja à espera que aconteça uma tragédia para se resolver a situação da degradação do edifício".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.