Estudo prevê mais dois a três graus no Tâmega e Sousa nas próximas décadas

| Norte
Porto Canal com Lusa

Penafiel, Porto, 20 set 2019 (Lusa) - Um estudo do Tâmega e Sousa encomendado a três universidades, hoje revelado, prevê uma subida de temperatura no território de dois a três graus nas próximas décadas, com prejuízos na economia, perda de população e mais incêndios.

De acordo com o Plano Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas no Tâmega e Sousa, os termómetros subirão em termos médios entre dois e três graus centígrados no período de análise, entre 2041 e 2070, com uma tendência acentuada nos territórios mais afastados do litoral e de altitude.

As previsões foram realizadas pela equipa multidisciplinar que realizou aquele trabalho, envolvendo especialistas das universidades do Porto, Minho e Trás-os-Montes e Alto Douro.

Os técnicos presentes na apresentação previram que haverá naquele período mais dias com temperaturas superiores a 25 graus, menos precipitação ao longo do ano, com eventos extremos no inverno, e que os rios Tâmega e Sousa vejam o seu caudal médio diminuído face aos registos atuais.

Previram, ainda, que haja mais incêndios florestais e que a área ardida possa triplicar, face a verões mais secos e prolongados.

Ainda no domínio dos cenários, aponta-se para impactos negativos na fauna e flora, com o desaparecimento de espécies mais dependentes das zonas húmidas e maior risco de proliferação de espécies exóticas invasoras, sobretudo nas áreas e montanha.

A população no conjunto dos 11 municípios deverá manter a tendência de decréscimo, sobretudo nos concelhos mais afastados do litoral, como Resende, Cinfães e Baião, em linha com a percentagem de 5% a 14% prevista para o conjunto da região norte, até 2040.

Na área da economia, o setor primário será o mais afetado com as alterações climáticas, sobretudo a viticultura, com grande importância no território, prevendo-se a necessidade de maiores quantidades de água de rega para assegurar valores de produção equivalentes aos atuais. Acentuar-se-á, também, a procura por terrenos de cultivo com maior altitude, para compensar a subida das temperaturas médias.

O estudo académico deixa, ainda, algumas sugestões de medidas a tomar para mitigar o impacto das alterações climáticas no território, nomeadamente a criação de um Sistema de Avaliação de Adaptação Socioeconómico e elaboração de um Plano de Adaptação às Alterações Climáticas, entre outras medidas.

No encerramento da apresentação, que se realizou em Penafiel, o presidente da Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa, Armando Mourisco, assinalou o caráter "inovador" daquele plano em termos nacionais e reforçou a importância que terá para os municípios, empresas e cidadãos.

Perante representantes políticos de vários municípios, o autarca de Cinfães acentuou que as alterações climáticas são um tema que "deve ser tratado com responsabilidade por todos", com medidas assentes "em instrumentos com um rigor científico enorme", como o estudo hoje apresentado, indicou.

APM//LIL

Lusa/fim

+ notícias: Norte

Metro do Porto já ‘aquece motores’ na nova extensão da Linha Amarela

As carruagens da Metro do Porto encontram-se em fase de testes na extensão da Linha Amarela, de forma a assegurar as normas de segurança.

Prosseguem as buscas por jovem desaparecido no mar em Gaia

As buscas pelo rapaz de 16 anos que desapareceu no mar da praia de Salgueiros, em de Vila Nova de Gaia, recomeçaram este domingo às 08h00 com meios terrestres e marítimos, disse à Lusa fonte da Proteção Civil.

Criança morre em atropelamento em Barcelos

Uma criança morreu na manhã deste domingo no seguimento de um atropelamento em Barcelos deixou mais quatro pessoas com ferimentos, uma delas politraumatizada com os três restantes com ferimentos ligeiros. Pelo menos três das vítimas serão crianças.