Info

Passadiços do Paiva reabrem parcialmente ao público na sexta-feira

Passadiços do Paiva reabrem parcialmente ao público na sexta-feira
| Norte
Porto Canal (AYQ) com Lusa

Os Passadiços do Paiva reabrem parcialmente ao público na próxima sexta-feira, segundo anúncio da Câmara Municipal de Arouca. O incêndio da passada semana destruiu parcialmente os passadiços, no entanto, o troço entre Espiunca e a Praia do Vau estará aberto ao público.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da autarquia adiantou que quatro dos oito quilómetros dos passadiços têm segurança garantida e que os visitantes poderão fazer o percurso de igual forma. "Esta extensão dos passadiços não apresenta qualquer risco e implicou apenas uma reorganização logística, de forma a que a entrada dos visitantes passe a processar-se apenas pela zona da Espiunca", explica José Artur Neves.

O preço de acesso aos passadiços mantém-se em um euro por pessoa e obriga a marcação antecipada online na Central de Reservas dos Passadiços do Paiva - que, tendo sido encerrada a semana passada por altura do incêndio que destruiu 170 dos 328 quilómetros quadrados do concelho, também regressará ao seu normal funcionamento esta quinta-feira.

Quanto à restante extensão do percurso, o presidente da Câmara ainda não tem data definida para a sua reabertura, mas está já em negociações com o empreiteiro responsável pela obra com vista à reedificação das áreas queimadas do passadiço. "Essa parte do trajeto implica mais cuidados, porque o incêndio afetou a estabilidade das pedras e temos que avaliar muito bem a segurança das escarpas para evitar riscos de derrocada, sobretudo no inverno, com as chuvas", afirma José Artur Neves.

O autarca revela que “deve ser coisa para ainda demorar uns meses e só depois disso é que permitiremos o acesso à extensão total da estrutura".

+ notícias: Norte

GNR desmantela rede de contrafação no Norte e apreende 1,4 milhões de euros em artigos

A Unidade de Ação Fiscal da GNR anunciou este sábado que desmantelou uma rede de fabrico e venda de artigos contrafeitos, apreendendo material no valor estimado de 1,4 milhões de euros em Matosinhos e Famalicão.

Alunos de Vinhais fecham escola por causa do frio

Os alunos da escola secundária de Vinhais queixam-se do frio nas salas de aulas. Não se fazem obras no centro escolar há mais de 30 anos e os 300 alunos protestam contra a falta de condições.

População de Covas do Barroso está contra o projeto da mina de lítio

A população de Covas do Barroso e a autarquia de Boticas estão contra o projeto de uma mina de lítio a céu aberto em território classificado como Património Agrícola Mundial. A empresa responsável fala num investimento de 500 milhões de euros.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.