Info

Trabalhadores do aeroporto do Porto em protesto contra parcómetros da Maia

Trabalhadores do aeroporto do Porto em protesto contra parcómetros da Maia
| Norte
Porto Canal com Lusa

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA) lançou hoje um abaixo-assinado contra a colocação de parcómetros nas ruas envolventes ao aeroporto do Porto, anunciada pela Câmara da Maia.

"São várias empresas afetadas. Os trabalhadores do aeroporto ficaram todos escandalizados com a notícia", afirmou à Lusa um delegado sindical do SITAVA, que pediu anonimato.

Segundo o sindicalista, para evitar o estacionamento pago, os trabalhadores terão que percorrer pelo menos três quilómetros de distância.

Na passada semana, a Câmara Municipal da Maia anunciou que 11 ruas na envolvente ao aeroporto Francisco Sá Carneiro vão ter estacionamento pago, sendo criados 549 lugares para o efeito.

A proposta foi aprovada em reunião de câmara mas segue para votação na Assembleia Municipal de sexta-feira, pelas 21:30, momento em que o SITAVA pretende entregar o abaixo-assinado.

Os sindicalistas destacam que a alternativa para os trabalhadores é estacionar nos parques do aeroporto, com uma avença de 80 euros a cada três meses, ou então "sujeitar-se aos lugares pagos a oito euros por dia".

"Agora já é difícil estacionar e depois, com parcómetros, vai ser pior. Ao fim do mês serão mais de 100 euros em parcómetros e isso vai afetar muitos trabalhadores", afirmou o delegado sindical.

Referiu ainda que o aeroporto funciona 24 horas por dia e que os trabalhadores que começam o seu turno de madrugada irão correr "um risco" ao terem de estacionar mais longe.

+ notícias: Norte

Jovem que viajava na TAP com suspeita de coronavírus transportada para o Hospital de São João

Uma jovem espanhola, de 22 anos e natural da Galiza, que viajava num voo da TAP proveniente de Milão-Malpensa e ficou retido no aeroporto Francisco Sá Carneiro, foi transportada para o Hospital de São João, apurou o Porto Canal no local.

(em atualização)

Cervejaria Galiza no Porto entra em processo de insolvência “controlada”

A Cervejaria Galiza, estabelecimento da cidade do Porto que desde novembro está a ser gerido pelos funcionários, vai entrar em insolvência, um processo que será “controlado” de forma a manter o espaço aberto, indicaram hoje representantes dos trabalhadores.

PS Porto pede reversão do processo de extinção de freguesias na cidade

A concelhia do PS/Porto quer desagregar as freguesias da cidade. O presidente da concelhia, Tiago Barbosa Ribeiro, diz que a reforma levada a cabo pelo governo de Passos Coelho violou o património identitário.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.