Info

Maior produtor de cogumelos queixa-se de falta de mão-de-obra em Vila Flor

| Norte
Fonte: Agência Lusa

Vila Flor, Bragança, 22 dez (Lusa) -- O principal grupo ibérico de cogumelos, Sousacamp, queixa-se da dificuldade em encontrar mão-de-obra para a empresa-mãe, sediada na aldeia de Benlhevai, Vila Flor, no distrito de Bragança.

O grupo que controla 90% do mercado português de cogumelos e é líder na Península Ibérica tem unidades em Paredes, Vila Real e Espanha, mas nasceu e mantém a sede e a principal fábrica nesta aldeia transmontana.

É nesta unidade, com cerca de 170 postos de trabalho, que tem a maior dificuldade em recrutar trabalhadores e onde continua a precisar de mão-de-obra, segundo afirmou à Lusa Amável Teixeira, diretor do departamento de produção do grupo.

"Muita gente fala de desemprego, mas nós continuamos a ter problemas quando queremos empregar pessoas", apontou.

O responsável reconhece que tanto neste concelho, com menos de 6.500 habitantes, como em todo o Nordeste Transmontano, os recursos humanos são cada vez menos, devido ao despovoamento e ao envelhecimento da população.

Porém, afirmou não entender "porque é que as pessoas não migram para o Interior", onde " a qualidade de vida será muito melhor do que no Litoral".

Ainda assim, segundo disse, a maioria das pessoas que trabalha na fábrica de Benlhevai é do concelho de Vila Flor, mas a empresa é "obrigada a ir buscar [trabalhadores] ao exterior", alguns a Espanha e outros de países do Leste europeu.

Quem quiser trabalhar, "tem aqui uma oportunidade, depois há que demonstrar que quer mesmo trabalhar", vincou o diretor.

O concelho de Vila Flor apresenta uma taxa de desemprego que ronda os 10,7%, inferior à média nacional.

O presidente da Câmara, Fernando Barros, encontra uma explicação para este desajustamento entre o desemprego, as necessidades da empresa e a disponibilidade da população ativa.

"Muitas vezes tem a ver com o valor que é pago", considerou, argumentando que pode prender-se também com o problema das deslocações porque "há sempre algumas distâncias entre o local de trabalho e a origem das pessoas", embora a empresa em causa disponibilize transporte aos seus trabalhadores.

Outra razão apontada pelo autarca tem a ver com o grau de exigência destas empresas e a cultura laboral existente numa região onde o trabalho em fábricas é escasso.

"São empresas também muito exigentes porque quando o cogumelo tem de ser colhido, tem mesmo de ser colhido, de dia ou de noite, ou ao sábado ou ao domingo ou num dia de semana. É natural que, às vezes, as pessoas não queiram trabalhar por turnos, por exemplo, mas isso é aqui e é em todo o lado", concretizou.

HFI // JGJ

Lusa/fim

+ notícias: Norte

Jovem de 18 anos morre afogada no Gerês

Uma jovem de 18 anos morreu afogada, esta terça-feira, na cascata das Sete Lagoas, em Cabril, no Gerês, apurou o Porto Canal com o comandante dos Bombeiros Voluntários de Salto.

Atualizado 23-07-2019 17:50

Número de moradores do prédio Coutinho desce de nove para sete

A VianaPolis informou esta terça-feira à Lusa ter chegado a acordo com um casal que detinha um apartamento no prédio Coutinho, em Viana do Castelo, onde, segundo aquela sociedade, ainda permanecem sete pessoas em cinco frações.

Limitação de auxílio na aterragem no aeroporto do Porto obriga ao desvio de 10 voos 

10 voos tiveram que ser desviados do Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, na passada sexta-feira, tudo porque o aeroporto tem apenas um aparelho de auxílio à aterragem em caso de nevoeiro. Os aeroportos de Lisboa e de Faro têm dois aparelhos, isto apesar de serem cidades com muito menos dias de novoeiro do que a cidade 'invicta'. 

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.