Info

Casa da Música quer levar o Fado às ruas históricas de Gaia de 24 a 26 de Julho

| Norte
Fonte: Agência Lusa

Vila Nova de Gaia, 17 jun (Lusa) - Gizela João, Mariza e o projeto Fado Sinfónico com Camané e Cristina Branco são os nomes grandes da iniciativa "Cais do Fado" que a Casa da Música e a Câmara de Gaia promovem de 24 a 26 de julho.

Ao todo, está prevista a presença de 15 artistas distribuídos por dez palcos, incluindo espetáculos ao ar livre na Ribeira de Gaia e Serra do Pilar, bem como nas Caves de Vinho do Porto, "criando um ambiente de animação urbana, próprio de um festival", conforme antecipa a organização.

Os espetáculos desta iniciativa, que se desenrola de quinta-feira a sábado, têm início previsto para as 18:00, com concertos de fadistas "com uma carreira mais recente, mas em franca ascensão" em palcos instalados junto ao rio Douro.

Após os concertos de fim de tarde os "festivaleiros do fado" são convidados a subir até junto do Mosteiro da Serra do Pilar, no Quartel do Regimento de Artilharia n.º 5, onde decorrem os protagonizados por "artistas elogiados pela crítica e com impacto crescente junto do público".

A 24 de julho a noite estará a cargo de Gisela João, enquanto a 25 sobe ao palco Mariza. No sábado, dia 26, Camané e Cristina Branco apresentam-se com a Orquestra Sinfónica da Casa da Música, num concerto considerado pela organização como "peculiar pelo cruzamento de dois géneros musicais muito distantes: a música clássica e o Fado".

De acordo com o diretor geral da Casa da Música, Paulo Sarmento e Cunha, a iniciativa "Cais do Fado" insere-se na estratégia desta instituição "de alargamento de públicos".

"Neste período de verão vamos sair da Casa e passar os nossos valores às pessoas que não vão ainda, com tanta frequência, à Casa da Música. O 'Cais de Fado' é um grande evento. E a zona da Baixa de Gaia é uma referência patrimonial e histórica, dando uma identidade singular à iniciativa", descreveu o diretor, à Lusa.

Com um orçamento total a rondar os 160 mil euros - pago pelos coorganizadores Casa da Música e Câmara de Gaia com apoio do Programa Operacional do Norte (ON.2) - é expectável, referiu Sarmento e Cunha, que o "Cais do Fado" atraia cerca de 35 mil pessoas à margem Sul do Douro.

"Este não é um evento normal, está fora dos padrões habituais. Encontrei aqui uma boa inspiração para aquilo que é importante que a região faça", defendeu hoje o presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, na apresentação deste programa.

O autarca frisou que "a relação que se inicia" entre a autarquia de Gaia e a Casa da Música "já não tem retorno é para continuar": "Este evento representa um grande momento, mas é sobretudo um grande serviço que a Casa da Música presta à região. Tudo o que a Casa da Música tem feito pelo Norte é inestimável", considerou.

Além de envolver as Caves do Vinho do Porto, a iniciativa "Cais do Fado" quer envolver os restaurantes da região, convidando-os a fazer "menus especiais" nesses três dias.

A organização garante já ter estabelecido parcerias com associações de restauração e hotelaria, bem como acordos com operadores de transportes de modo a facilitar o acesso aos locais dos concertos.

Os espetáculos terão acesso livre e gratuito, embora limitados à lotação dos espaços.

PYT // JGJ

Lusa/fim

+ notícias: Norte

Hospital de Gaia garante que "não está previsto" fechar Laboratório de Neurofisiologia

O Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNG/E) disse hoje que está a tomar medidas para garantir o funcionamento do Laboratório de Neurofisiologia e que "não está previsto" o seu encerramento, como referiu o diretor interino daquele serviço.

Câmara do Porto acusa TAP de ter uma visão colonialista sobre a região Norte

A Câmara do Porto disse esta sexta-feira que o comunicado da TAP prova a "visão colonialista" e "exclusivamente turística" que a companhia aérea tem sobre o Norte, acusando a companhia de estar a comportar-se como "um agente privado da economia".

Reações à mudança de estratégia da TAP para o Norte cautelosas quanto a novos moldes de atuação da companhia

Continuam a fazer-se ouvir as vozes em reação à mudança de estratégia da TAP para o Norte do país. No entanto são quase todas cautelosas até porque a companhia aérea só comunicou que vai sentir o pulsar dos agentes económicos e políticos, mas não explica em que moldes poderá ser a mudança.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.