Info

Covid-19: Entre 30 a 50% de pequenas e médias escolas privadas do Brasil arriscam falir

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Brasília, 02 jun 2020 (Lusa) - Entre 30 a 50% de pequenas e médias escolas privadas do Brasil enfrentam o risco de falir devido à pandemia de covid-19, segundo um estudo divulgado na segunda-feira.

Os dados constam de um levantamento feito pela União pelas Escolas Particulares de Pequeno e Médio Porte, uma organização sem fins lucrativos que lançou um manifesto pela sobrevivência das escolas particulares, um segmento fortemente afetado pela pandemia da covid-19 no país sul-americano.

"Se não houver nenhuma mudança do cenário, estima-se que de 30% a 50% das escolas fecharão suas portas nos próximos meses. Isto acarretará o aumento do desemprego, da evasão escolar e uma sobrecarga ainda maior na rede pública, que não tem condições de absorver essa procura", indicou a organização em comunicado.

De acordo com a União, mesmo com as escolas a "trabalhar incessantemente em busca de soluções tecnológicas para manter a prestação dos seus serviços", o incumprimento de obrigações financeiras e a perda de alunos já atingiram índices exorbitantes, gerando uma perda significativa de receitas.

Em 95% dos estabelecimentos de ensino privado já ocorreu o cancelamento de matrículas.

Os atrasos no pagamento de mensalidades, que antes da pandemia eram de 9%, chegaram a 17% em abril e devem alcançar os 22% em maio, segundo cálculos da União pelas Escolas Particulares de Pequeno e Médio Porte.

Entre 13 e 15 de maio, foram consultados para o estudo proprietários de 482 colégios privados, desde o ensino pré-escolar ao secundário, com capacidade entre 150 e 240 alunos e 20 a 30 professores, localizados em 83 municípios do país, incluindo capitais estaduais, segundo o jornal Folha de S.Paulo.

Entre as ações para auxiliar o setor de ensino privado, a organização sugere a criação de um "voucher educacional", na forma de apoio financeiro temporário por parte dos órgãos públicos para que as famílias possam, durante o período da pandemia e por pelo menos mais um ano, garantir a vaga dos filhos nas escolas, "evitando que as crianças fiquem ociosas em casa ou nas ruas, e que empresas do setor fechem as portas e tenham que demitir funcionários".

A organização apela ainda ao fim da "concorrência predatória" entre instituições de ensino, que concedem "descontos descomunais ou até a isenção de todas as mensalidades"; ao aumento de políticas de crédito para escolas de pequenas dimensões; assim como a redução de carga tributária e o aumento dos prazos para quitação das tributações.

O Brasil registou 623 mortos e 12.247 infetados pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, totalizando 29.937 óbitos e 526.447 casos confirmados desde o início da pandemia no país, informou na segunda-feira o executivo.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 373 mil mortos e infetou mais de 6,2 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Cerca de 2,6 milhões de doentes foram considerados curados.

MYMM // JMC

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Pfizer atrasa entrega de vacinas na Europa para melhorar produção

O laboratório norte-americano Pfizer advertiu hoje para uma quebra "a partir da próxima semana" nas entregas das vacinas anti-covid na Europa, com vista a melhorar a sua capacidade de produção, anunciaram hoje as autoridades norueguesas.

Itália: PM Conte recebe voto de confiança dos deputados

Roma, 18 jan 2021 (Lusa) -- O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, obteve hoje a confiança dos deputados para se manter no governo, depois da demissão de duas ministras do partido Itália Viva (IV) ter aberto uma crise política, deixando o governante sem maioria no Senado.

PR de Cabo Verde confiante na assinatura de acordo de mobilidade no espaço CPLP em junho

Bissau, 18 jan 2021 (Lusa) - O Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, disse hoje em Bissau que está confiante que o acordo de mobilidade de cidadãos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) deverá ser assinado em junho, em Luanda, Angola.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.