ESPECIAL CANDIDATURAS
CLIQUE AQUI PARA VER MAIS
Projeto Parceria
Porto Canal
Info

Bruxelas inicia consultas com parceiros sociais sobre salários mínimos "justos" na UE

| Economia
Porto Canal com Lusa

Estrasburgo, França, 14 jan 2020 (Lusa) -- A Comissão Europeia anunciou hoje o lançamento de uma primeira fase de consultas com os parceiros sociais com vista a assegurar que todos os trabalhadores na União Europeia (UE) tenham salários mínimos justos.

O executivo de Ursula von der Leyen adotou hoje, em Estrasburgo, uma comunicação sobre a "construção de uma Europa social forte para transições justas", com propostas de ação ao nível comunitário que se propõe colocar em marcha nos próximos meses, sendo uma das primeiras ações o lançamento da primeira fase de consultas com empresas e sindicatos sobre a questão de salários mínimos na UE, esclarecendo que a ideia não é uniformizar o salário mínimo na Europa.

"Não haverá um salário mínimo universal. Qualquer potencial proposta refletirá tradições nacionais, seja a nível de acordos coletivos, seja em termos de disposições legais", aponta a Comissão Europeia, acrescentando que "alguns países já têm excelentes sistemas em vigor".

O objetivo do executivo comunitário é, então, "assegurar que todos os sistemas são adequados, têm cobertura suficiente, incluem consultas aprofundadas com os parceiros sociais e têm um mecanismo de atualização apropriado".

A 'Comissão Von der Leyen' justifica esta iniciativa apontando que, embora a taxa de emprego na UE esteja num máximo histórico, "muitos trabalhadores têm dificuldades em fazer o salário chegar ao final do mês", pelo que trabalhará no sentido de assegurar que "cada trabalhador tem um salário mínimo justo que lhe permita ter uma vida decente, independentemente de onde trabalhem" na União.

Relativamente à consulta agora iniciada, a Comissão indica que "está em modo de escuta", já que o seu objetivo nesta fase é "saber se os parceiros sociais acreditam que é necessária ação da UE e, em caso afirmativo, se desejam negociar a questão entre si".

De acordo com dados publicados em dezembro passado pela Comissão Europeia, as variações entre os salários mínimos praticados na Europa continuam a ser vincadas, oscilando entre os 286 euros na Bulgária e os 2.071 euros no Luxemburgo (valores de 2019), surgindo Portugal na segunda metade da tabela, na 12.ª posição entre os 22 países que praticam um vencimento mínimo.

O salário mínimo em Portugal aumentou em 01 de janeiro para os 635 euros, face ao valor de 600 euros praticado em 2019, o que, ajustado tendo em conta os 14 meses, equivale a um aumento de 700 para 740 euros, os valores tidos em conta nos cálculos do Eurofund para estabelecer uma comparação entre os Estados-membros.

Seis Estados-membros da UE não têm salário mínimo: Áustria, Chipre, Dinamarca, Finlândia, Itália e Suécia.

ACC // MSF

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Tripulantes da Ryanair 'presos' entre contratos inferiores ao salário mínimo e emigração

Mais de 30 trabalhadores da Crewlink, que tripulam os aviões da Ryanair, estão a ser convidados para os quadros da companhia com remunerações base abaixo do salário mínimo, tendo como alternativa a relocalização no estrangeiro já em setembro.

Acionistas da Azul aprovam acordo de saída da TAP

Os acionistas da companhia aérea brasileira Azul, liderada por David Neeleman, aprovaram na segunda-feira em assembleia-geral (AG) o acordo de saída da TAP, incluindo a eliminação de direitos de converter obrigações em ações.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.