Info

Autarcas de Tondela acusados de peculato e falsificação de documento

Autarcas de Tondela acusados de peculato e falsificação de documento
| País
Porto Canal com Lusa

O presidente da Câmara de Tondela, José António Jesus, e o seu vice-presidente, Pedro Adão, foram acusados pelo Ministério Público (MP) dos crimes de peculato e falsificação de documento, que terão ocorrido entre 2010 a 2017.

"Foi requerida a perda de mandato relativamente aos dois arguidos, os quais, atualmente, exercem novas funções como titulares de órgãos políticos", pode ler-se num comunicado colocado hoje no sítio da Internet da Procuradoria-Geral Distrital de Coimbra.

O MP do Departamento de Investigação e Ação Penal de Coimbra deduziu acusação contra os dois autarcas social-democratas, imputando a José António Jesus a prática de um crime de peculato e de dois crimes de falsificação de documento e a Pedro Adão de um crime de peculato e de um crime de falsificação de documento.

"Em causa estão pedidos de ajudas de custo por alegadas deslocações efetuadas em viaturas próprias, quando as deslocações em causa tinham, na realidade, sido efetuadas em viaturas da própria autarquia", refere o comunicado.

Contactado pela agência Lusa, José António Jesus disse que "esta situação é decorrente do processo que o Ministério Público tinha em curso e no qual sempre houve a máxima colaboração do município, com a maior disponibilidade, para o esclarecimento da verdade".

"Será sempre esta a postura que iremos manter. Com consciência tranquila, aguardaremos o desenvolvimento do processo", frisou.

A posição de José António Jesus é subscrita por Pedro Adão.

No início do ano, durante uma reunião de Câmara, os autarcas anunciaram que já tinham devolvido o dinheiro que terão recebido indevidamente: José António Jesus entregou 11.099,76 euros e Pedro Adão 10.144,68 euros.

Durante a investigação, o Ministério Público foi coadjuvado pela Diretoria do Centro da Polícia Judiciária.

+ notícias: País

Professores vão lecionar outras disciplinas para colmatar falha de docentes

Os professores vão passar a dar aulas de uma disciplina diferente da sua formação para colmatar a falta de professores nas escolas. A Fenprof critica a forma como o Governo pretende resolver o problema da falta de professores.

Operação Nariz Vermelho avançou para MP com base em queixas da atuação do Kastelo

A Operação Nariz Vermelho apresentou queixa no Ministério Público (MP) contra a Associação NoMeioDoNada por suspeita de negligência e maus tratos na Casa do Kastelo "após tomada de conhecimento de alegadas situações que caso sejam comprovadas são inaceitáveis".

Mais de 70 medicamentos inovadores aprovados em Portugal só no ano passado

Mais de 70 novos medicamentos foram aprovados no ano passado em Portugal pela Autoridade do Medicamento, que conseguiu reduzir em mais de 200 milhões de euros as condições propostas pelas farmacêuticas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.