Jornal Diário Jornal das 13

UMinho comprova eficácia de fármaco no tratamento da Doença Machado-Joseph

| Norte
Fonte: Agência Lusa

Braga, 10 mar (Lusa) - Uma equipa liderada pela Universidade do Minho desenvolveu um modelo que comprova a eficácia do fármaco 17-DMAG nos casos de Machado-Joseph, ao "atrasar a progressão" da doença, e que está também a ser testado em tumores cancerígenos avançados.

Em comunicado enviado hoje à agência Lusa, a Universidade do Minho (UMinho) adianta que os resultados da investigação - coordenada pela investigadora do Laboratório Associado ICVS/3B's da academia minhota Patrícia Maciel - foram publicados na "prestigiada" revista Neurotherapeutics.

A Doença de Machado-Joseph é uma patologia neurodegenerativa hereditária incurável causada por uma mutação no gene ATXN3 e que se caracteriza pela descoordenação dos movimentos corporais, incluindo défices piramidais, extrapiramidais e cerebelosos, bem como neuropatia periférica e, em alguns casos, parkinsonismo que pode ter interferências na coordenação dos dedos, mãos, braços e pernas, nos movimentos oculares e no mecanismo de deglutição.

O fármaco 17-DMAG "induz a autofagia, um mecanismo celular de defesa, cuja ativação provou em estudos anteriores ser benéfica na proteção contra esta patologia", diz a bioquímica Patrícia Maciel, explicando os resultados da investigação da sua equipa.

O fármaco "atrasa a progressão da doença e está inclusivamente a ser testado em tumores cancerígenos avançados", refere, por seu lado, o comunicado UMinho.

O modelo utilizado para validar a ação do 17-DMAG foi desenvolvido em ratinhos e reuniu manifestações clínicas e patológicas semelhantes às da DMJ.

"Os ratinhos apresentam uma progressiva descoordenação motora, perda de força e neurónios, bem como uma agregação da proteína ataxina-3 mutada em várias regiões do cérebro", contextualiza a especialista.

A academia minhota adianta ainda que o referido modelo "reproduz muito fielmente a doença" e "constitui uma ferramenta valiosa para testar novas estratégias terapêuticas".

Patrícia Maciel, de 42 anos, é licenciada em Bioquímica, com doutoramento em Ciências Biomédicas na Universidade do Porto e na Universidade McGill, no Canadá, foi docente no Instituto Superior de Ciências da Saúde-Norte e investigadora no Instituto de Biologia Molecular e Celular e, desde 2002, é professora na Escola de Ciências da Saúde e investigadora do ICVS - Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde da UMinho.

JYCR // JGJ

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Hospital de São João quer aproveitar projeto antigo para novo Centro Pediátrico

O Centro Hospitalar de São João, no Porto, está a "auscultar os serviços jurídicos" sobre a possibilidade de poder aproveitar o projeto existente para a construção do novo Centro Pediátrico, anunciou hoje o presidente da administração daquele hospital.

Ministério Público está a investigar o caso dos dois doentes em isolamento numa instituição em Bragança

O Ministério Público está a investigar o caso dos dois doentes que estão em isolamento há vários anos numa instituição em Bragança. O caso foi denunciado pelo Porto canal há dois meses. Depois disso, quase nada foi feito apesar da própria instituição pedir mais formação para lidar com os doentes, as entidades responsáveis continuam a dizer que os utentes vivem em condições adequadas.

100 semáforos geridos pela Metro do Porto em Matosinhos não têm sinal sonoro

Há 100 semáforos geridos pela Metro do Porto no concelho de Matosinhos que não têm avisos sonoros. A funcionalidade vai começar a ser instalada, uma vez que os sinais sonoros são indispensáveis para os invisuais.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.