ESPECIAL CANDIDATURAS
CLIQUE AQUI PARA VER MAIS
Projeto Parceria
Porto Canal
Info

Projeto promove no Porto exercício físico para pessoas com doenças crónicas e mentais

| Norte
Porto Canal com Lusa

Porto, 20 out 2019 (Lusa) -- A esquizofrenia, bipolaridade e depressão fazem com que tenham uma vida sedentária e isolada, mas um projeto do Hospital de São João e da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto ajuda-os a sentirem-se "mais capazes", física e mentalmente.

Faltam mais de dez minutos para as 14:00, hora marcada para o início da aula de treino funcional, e à porta do ginásio de musculação da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (FADEUP), oito participantes esperam entusiasmados.

Fernando Raul é um dos oito participantes. Tem 49 anos e esquizofrenia. Doença que o tornou, ao longo dos anos, "solitário" e "sedentário".

Fernando juntou-se a este grupo, que integra o projeto 'Saúde Mental em Movimento', há pelo menos oito anos. Não tem bem a certeza, mas de uma coisa está seguro: aqui, consegue praticar exercício físico e, acima de tudo, fazer amigos.

"Precisamos de socializar um bocadinho e eu sou uma pessoa muito solitária, estou muito tempo parado e isolado e, assim, nestes momentos posso conversar", admitiu à agência Lusa.

À semelhança de Fernando, também Joel Ribeiro, de 44 anos, acredita que o exercício físico o ajuda a "esquecer os problemas da vida".

"Ajudam-nos a fazer o nosso próprio tratamento. Sinto-me mais cansado do corpo, mas descansado da cabeça", garantiu.

Joel foi treinador e preparador físico, hoje, faz "um pouco de tudo" para viver e sobreviver com a esquizofrenia.

"Aprende-se todos os dias como numa escola, aqui é como um quadro da escola, funciona da mesma maneira", disse.

Nos dias em que tem aulas, Joel chega mais cedo, não só para poder conviver com alguns estudantes da FADEUP, mas com os colegas de grupo com quem partilha os mesmos desafios e obstáculos associados a uma doença crónica e mental grave.

"Já criei muitos amigos, mesmo lá fora há amizades que se criam porque só assim estamos a tirar proveito para ter saúde mental e movimento", disse.

No ginásio da musculação ou nos jardins da FADEUP, às segundas, quartas e sextas-feiras, respira-se desporto em "todos os cantos", mas não só. Respira-se também "normalidade e naturalidade".

Quem o garante é Tânia Bastos, professora de atividade física adaptada da instituição e uma das coordenadoras do projeto, para quem estes alunos são a "prata da casa".

"O facto de não estarmos num ambiente hospitalar, mas num ambiente altamente inclusivo é fundamental. Os benefícios são evidentes", salientou.

Já passaram nove anos desde que o projeto 'Saúde Mental em Movimento' nasceu, fruto de um desafio proposto pelo Hospital de São João que, à época, precisava de ajuda para dinamizar atividades para os utentes da sua unidade de psiquiatria.

"Iniciámos as intervenções nas instalações da unidade de psiquiatria, a partir daí foi crescendo, o espaço também já não era adequado e transferimo-nos para a universidade. Com estas melhores condições, começamos a adicionar outras instituições e temos um maior número de utentes", explicou Tânia.

Neste momento, são mais de 40 os utentes que, com esquizofrenia, perturbação bipolar, depressão endógena, depressão psicótica e outras doenças crónicas integram este projeto, que tem a capacidade de os fazer sair de casa.

Além de os fazer sair de casa, faz também com que "saiam da janela em que se sentem mais confortáveis", disse à Lusa, a diretora do serviço de psiquiatria do Hospital de São João, referindo-se à janela do isolamento e do sedentarismo.

"Ainda não temos nenhum estudo que nos possa dizer que as pessoas estão bem melhor, mas contra a evidência dos factos, não há argumentos", garantiu Rosário Curral.

Até lá, até que a evidência científica ou as políticas sociais promovam uma maior integração destas pessoas, o Fernando e o Joel, assim como os restantes membros do grupo, continuarão a vir à FADEUP, numa tentativa de superar aquela que é uma doença há muito estigmatizada.

SPYC // MSP

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Três pessoas foram identificadas por desobediência e propagação de Covid-19 em Vila do Conde

Duas mulheres e um homem foram identificados pela GNR por desobediência e propagação de doença, no caso o novo coronavirus, nos dias 10 e 11 de agosto, em Vila Do Conde, por não respeitarem a medida de confinamento obrigatório que lhes foi decretada pela autoridade de saúde pública, no concelho de Vila do Conde.

 

Presumível autora do incêndio florestal na Peneda-Gerês detida pela Polícia Judiciária

Uma mulher com 57 anos foi detida pela Polícia Judiciária, através do Departamento de Investigação Criminal de Braga, com a colaboração do Grupo de Trabalho do Norte de Redução das Ignições Florestais e da GNR, na manhã desta terça-feira, por estar indiciada pela prática de um crime de incêndio florestal no Parque Nacional da Peneda-Gerês que teve inícoo no dia 4 de agosto de 2020, apurou o Porto Canal junto das autoridades.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.