Info

Escritores Olga Tokarczuk e Peter Handke vencem Prémio Nobel da Literatura 2018 e 2019

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Estocolmo, 10 out 2019 (Lusa) -- A escritora polaca Olga Tokarczuk e o austríaco Peter Handke foram distinguidos com o Prémio Nobel da Literatura de 2018 e 2019, respetivamente, anunciou hoje a Academia Sueca.

Os prémios Nobel da Literatura de 2018 e 2019 foram anunciados hoje em Estocolmo pela Academia Sueca, depois de um interregno de um ano, devido a um escândalo de abuso sexual e crimes financeiros que abalou a organização.

A Academia Sueca atribuiu o Nobel da Literatura de 2018 a Olga Tokarczuk, de 57 anos, "por uma imaginação narrativa que, com paixão enciclopédica, representa o cruzamento de fronteiras como uma forma de vida".

A escritora, para a Academia Sueca, "nunca vê a realidade como algo estável ou permanente" e "constrói os seus romances numa tensão entre opostos culturais; natureza 'versus' cultura, razão 'versus' loucura, masculino 'versus' feminino, casa 'versus' alienação".

A "grande obra" da laureada até ao momento é, para a academia, o "impressionante romance histórico 'Ksiegi Jakubowe' [Os Livros de Jacob' em tradução livre]", publicado em 2014 e sem edição em português. Olga Tokarczuk mostra neste trabalho "a suprema capacidade do romance de representar um caso quase além da compreensão humana".

"Viagens" é o livro até agora disponível em Portugal de Olga Tokarczuk, a 15.ª mulher distinguida com o Nobel da Literatura, em 116 premiados.

O Nobel da Literatura de 2019 foi atribuído a Peter Handke, de 76 anos, "por um trabalho influente que, com engenho linguístico, explorou a periferia e a especificidade da experiência humana".

Para a Academia Sueca, a "arte peculiar" de Peter Handke é "a extraordinária atenção às paisagens e a presença material do mundo, que fez do cinema e da pintura duas das suas maiores fontes de inspiração".

Peter Handke, "tendo produzido um grande número de obras em vários géneros, estabeleceu-se como um dos mais influentes escritores na Europa, após a Segunda Guerra Mundial".

"A Mulher Canhota", "A Angústia do Guarda Redes antes do Penalti" são alguns dos livros de Peter Handke editados em Portugal. "Os Belos Dias de Aranjuez - Um diálogo de Verão" foi publicado em 2014 pela Documenta.

Segundo o secretário da Academia Sueca, Anders Olsson, a lista de finalistas do Nobel da Literatura de 2018 e 2019 era composta por oito nomes.

Os laureados recebem, cada um, um prémio monetário de nove milhões de coroas suecas (cerca de 830 mil euros), uma medalha de ouro e um diploma, que serão entregues numa cerimónia em Estocolmo, a 10 de dezembro.

Um total de 116 escritores -- dos quais 15 mulheres -- já foram distinguidos com o Prémio Nobel da Literatura, atribuído desde 1901.

Apenas um autor de língua portuguesa foi premiado: o português José Saramago, em 1998.

TDI/JRS // MAG

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Brexit: União Europeia e Reino Unido alcançam acordo para a saída

A União Europeia e o Reino Unido alcançaram hoje um acordo para a saída do país do bloco comunitário após longas negociações, anunciaram hoje na rede social Twitter o presidente da Comissão Europeia e o primeiro-ministro britânico.

Catalunha: Espanha assiste a "involução" democrática - responsável da Generalitat

Lisboa, 21 out 2019 (Lusa) -- Um membro do Governo da Catalunha denunciou hoje em Lisboa a "involução" democrática em curso em Espanha e defendeu para aquela região autonómica a solução adotada pelo Reino Unido para a Escócia, através de um referendo sobre a independência.

Moçambique: Ex-banqueiro afirma em tribunal que ministro Maleiane escondia dívidas ao FMI

Nova Iorque, 21 out 2019 (Lusa) - Um antigo banqueiro do banco Credit Suisse afirmou hoje num tribunal em Nova Iorque que, em 2015, a antiga vice-ministra das Finanças moçambicana Maria Lucas referiu que o ministro Adriano Maleiane escondia as dívidas da Ematum ao FMI.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.