Info

Soma de brancos e nulos ultrapassa pela primeira vez os 5% em quatro círculos

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 07 out 2019 (Lusa) -- Nos círculos eleitorais dos Açores, Coimbra, Guarda e Leiria a soma dos votos brancos e nulos nas legislativas de domingo ultrapassaram, pela primeira vez desde 1976, a fasquia dos 5%.

Segundo o portal EyeData, com base em resultados oficiais e disponível em www.lusa.pt, desde as eleições de 1976, os votos brancos e nulos nunca tinham somado mais de 5% num círculo eleitoral em Portugal.

No entanto, nestas eleições a soma dos brancos e dos nulos foi superior a 5% em quatro deles: Açores, Coimbra, Guarda e Leiria.

A soma dos votos brancos e nulos é mesmo superior ao resultado da quarta força política nos Açores, na Guarda e em Leiria e da quinta no círculo de Coimbra.

No círculo eleitoral dos Açores, onde a abstenção foi de 63,50%, a soma dos votos brancos (4,70%) com os nulos (1,63%) é de 6,33%.

Os votos em branco nos Açores bateram, aliás, outro recorde nas eleições de domingo: nunca num círculo eleitoral desde as eleições de 1976 tinham os votos em branco ultrapassado os 4%.

Neste círculo, o PS obteve 40,06% dos votos e elegeu três deputados, o PSD 30,21% e elegeu dois.

Os votos brancos e nulos foram menores do que os 7,97% conseguidos pelo Bloco de Esquerda (BE), mas acima dos 4,80% do CDS-PP, que ficou em quarto lugar.

Em Coimbra, votos brancos (3,38%) e nulos (1,87%) alcançaram 5,25%, num círculo onde a abstenção ficou nos 46,34%.

O PS venceu neste distrito com 39,02% e elegeu cinco deputados, seguido do PSD com 26,61% e três deputados e do Bloco de Esquerda, que, com 11,18%, conseguiu eleger um deputado.

A CDU conseguiu 5,59% dos votos, seguida do CDS-PP, que alcançou 3,48% dos votos, menos do que os 5,25% dos brancos e nulos juntos.

Na Guarda, 5,32% dos votantes votaram em branco ou nulo.

Num distrito onde a abstenção foi de 49,42%, o PS (37,55%) elegeu dois deputados e o PSD (34,37%) um.

Os brancos e nulos representaram menos votos do que a terceira força política, o BE (7,81%), mas mais do que a quarta, o CDS-PP, com 4,99% dos votos.

Já em Leiria, brancos (3,67%) e nulos (2,30%) foram 5,97% dos votos, num círculo onde o quarto partido mais votado foi o CDS-PP, com 5,32%.

Num distrito onde 46,12% dos eleitores inscritos não foram votar, o PSD (33,52%) elegeu cinco deputados, o PS (31,07%) quatro e o BE (9,36%) um.

O PS, com 36,6% dos votos e com 106 deputados, venceu as eleições legislativas de domingo sem maioria absoluta e terá de tentar a repetição de uma solução de Governo à esquerda, numa eleição marcada pela derrota histórica da direita e pela entrada de três novos partidos no parlamento.

RCS // MCL

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Bloco de Esquerda diz que o negócio do El Corte Inglês é altamente lesivo para o Estado

O Bloco de Esquerda diz que o negócio do El Corte Inglês no terreno da antiga estação ferroviária da Boavista, no Porto é altamente lesivo para o Estado. O partido critica o facto dos contratos feitos entre a Infraestruturas de Portugal, ainda proprietária do terreno, e o grupo espanhol, "nunca terem sido disponibilizados".

Catarina Martins defende a eliminação das portagens no interior do país

O Bloco que Esquerda quer eliminar as portagens nas Scut do interior do país. Depois o PCP é a vez do Bloco defender o fim das portagens como forma de diminuir as assimetrias no interior do país.

Gestão dos rios portugueses. Mais um exemplo de centralismo?

A gestão dos recursos hídricos que está totalmente centrada na Agência Portuguesa do Ambiente, é mais um exemplo do centralismo em Portugal. A conclusão é de uma investigadora da Faculdade de Engenharia do Porto que concluiu que existe uma enorme disparidade entre Portugal e Espanha na forma como os rios são geridos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

"Este mundo espantoso, inquieto e...

D'Mais

Hora do chá - o que é o...