Info

Protesto trava pavilhão de aulas privado no recreio de escola pública em Matosinhos

| Norte
Porto Canal com Lusa

Populares contestaram hoje o uso do recreio da escola pública do Godinho, em Matosinhos, para instalação de contentores com salas de aula provisórias de uma escola privada, num protesto terminado após a autarquia garantir o abandono da ideia.

Atualizado 06-10-2019 12:02

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Associação de Pais da Escola Básica do Godinho, Luís Gaspar, disse que o protesto, que ao princípio da manhã envolveu cerca de 100 pessoas, terminou após o vereador da Educação da Câmara de Matosinhos, António Correia Pinto, garantir que, “face à manifestação de vontade” dos manifestantes, iria parar o processo e reanalisá-lo com a DGest/Norte, o organismo do Ministério da Educação, voltando a falar do assunto na próxima semana.

Também contactada pela agência Lusa, fonte da Câmara Municipal confirmou o abandono da ideia, nada mais referindo.

A escola privada, situada na mesma zona e a precisar de obras, seria instalada provisoriamente no recreio da escola pública mediante protocolo com a DGest/Norte, admitiu Luís Gaspar.

“Mas achamos que podem e devem existir outras opões”, contrapôs, “já que a escola pública do Godinho vai entrar em obras no próximo ano letivo, inclusive o projeto já estará feito. Acrescentar mais alunos, subtraindo área do receio, é mau”.

A escola pública do Godinho tem 200 alunos e o estabelecimento privado é frequentado por 40.

+ notícias: Norte

Mais sete mortes por Covid-19 nos lares da Misericórdia de Bragança

Morreram mais sete idosos utentes dos lares da  Santa Casa da Misericórdia de Bragança por Covid-19, anuncio em comunicado esta segunda-feira a instituição, subindo assim o número de óbitos para 18 nos três lares da Misericórdia de Bragança.

Morreu um dos feridos graves da explosão em fábrica de borracha em Melgaço

Um homem de 22 anos morreu hoje na sequência de uma explosão numa fábrica de borracha, em Melgaço, e uma mulher de 29 anos em estado grave foi transportada ao hospital, disse à Lusa fonte do INEM.

Ordem dos Advogados indicia "violação grave" de direitos humanos no Lar do Comércio, em Matosinhos

A Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados (CDHOA) detetou indícios de "violação grave" de direitos humanos no Lar do Comércio, em Matosinhos, e o "incumprimento reiterado" de orientações recebidas em vistorias, indica um relatório hoje divulgado.

Atualizado 19-10-2020 19:30

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.