ESPECIAL CANDIDATURAS
CLIQUE AQUI PARA VER MAIS
Projeto Parceria
Porto Canal
Info

Protesto trava pavilhão de aulas privado no recreio de escola pública em Matosinhos

| Norte
Porto Canal com Lusa

Populares contestaram hoje o uso do recreio da escola pública do Godinho, em Matosinhos, para instalação de contentores com salas de aula provisórias de uma escola privada, num protesto terminado após a autarquia garantir o abandono da ideia.

Atualizado 06-10-2019 12:02

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Associação de Pais da Escola Básica do Godinho, Luís Gaspar, disse que o protesto, que ao princípio da manhã envolveu cerca de 100 pessoas, terminou após o vereador da Educação da Câmara de Matosinhos, António Correia Pinto, garantir que, “face à manifestação de vontade” dos manifestantes, iria parar o processo e reanalisá-lo com a DGest/Norte, o organismo do Ministério da Educação, voltando a falar do assunto na próxima semana.

Também contactada pela agência Lusa, fonte da Câmara Municipal confirmou o abandono da ideia, nada mais referindo.

A escola privada, situada na mesma zona e a precisar de obras, seria instalada provisoriamente no recreio da escola pública mediante protocolo com a DGest/Norte, admitiu Luís Gaspar.

“Mas achamos que podem e devem existir outras opões”, contrapôs, “já que a escola pública do Godinho vai entrar em obras no próximo ano letivo, inclusive o projeto já estará feito. Acrescentar mais alunos, subtraindo área do receio, é mau”.

A escola pública do Godinho tem 200 alunos e o estabelecimento privado é frequentado por 40.

+ notícias: Norte

Três pessoas foram identificadas por desobediência e propagação de Covid-19 em Vila do Conde

Duas mulheres e um homem foram identificados pela GNR por desobediência e propagação de doença, no caso o novo coronavirus, nos dias 10 e 11 de agosto, em Vila Do Conde, por não respeitarem a medida de confinamento obrigatório que lhes foi decretada pela autoridade de saúde pública, no concelho de Vila do Conde.

 

Presumível autora do incêndio florestal na Peneda-Gerês detida pela Polícia Judiciária

Uma mulher com 57 anos foi detida pela Polícia Judiciária, através do Departamento de Investigação Criminal de Braga, com a colaboração do Grupo de Trabalho do Norte de Redução das Ignições Florestais e da GNR, na manhã desta terça-feira, por estar indiciada pela prática de um crime de incêndio florestal no Parque Nacional da Peneda-Gerês que teve inícoo no dia 4 de agosto de 2020, apurou o Porto Canal junto das autoridades.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.