Info

Compra da Anadarko pela Occidental mantém aposta em Moçambique - Total

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Nova Iorque, 08 ago 2019 (Lusa) - A compra das operações africanas da petrolífera norte-americana Anadrako pela Occidental não terá impacto na exploração de gás natural em Moçambique, asseguraram hoje os presidentes das duas companhias, prometendo que a operação vai "fortalecer o projeto".

"Tenham, por favor, certeza do compromisso da Total em trazer o melhor das nossas capacidades humanas, técnicas e financeiras para fortalecer ainda mais a execução do projeto sobre as bases sólidas estabelecidas pela Anadarko e seus parceiros, e implementar o projeto Mozambique LNG no interesse de todos os envolvidos, incluindo o Governo e o povo de Moçambique", disse o diretor executivo da Total, Patrick Pouyanné, citado num comunicado difundido pela Anadarko, que foi comprada pela Occidental, que venderá as operações africanas à francesa Total.

"A Occidental e a Total estão comprometidas com as operações da AMA1 em Moçambique e estão confiantes que a Transação não terá impacto adverso nos negócios da AMA1 em Moçambique", lê-se no comunicado, que cita a presidente da Occidental a mostrar-se "fortemente comprometida em garantir que durante o período em que for proprietária da AMA1, a direção e o cronograma do projeto permaneçam inalterados".

"Estou confiante que a estreita parceria que a Anadarko estabeleceu com Moçambique irá continuar e tornar-se-á mais forte", afirmou Vicki Hollub no comunicado.

No comunicado, os responsáveis das duas petrolíferas procuram assegurar que a venda dos ativos africanos à francesa Total não vai ter impacto na exploração de gás em Moçambique, que deverá ser um dos principais motores de transformação da economia moçambicana.

"Gostaria de reafirmar a importância da Mozambique LNG para a Total, onde nos tornaremos o operador; este é um ativo único que se encaixa perfeitamente na nossa estratégia e nas nossas competências", concluiu o presidente da Total.

A Anadarko Moçambique Área 1, Lda. lidera o consórcio que explora a Área 1 Offshore, com uma participação de 26,5%.

A petrolífera norte-americana Occidental Petroleum comprou, por 55 mil milhões de dólares (49 mil milhões de euros), a sua rival Anadarko, companhia que lidera um dos maiores projetos de gás natural em marcha em Moçambique e em África, tendo acordado também a venda dos ativos em África à francesa Total por um valor de quase 9 mil milhões de dólares.

A nível global, a Total é um dos principais grupos mundiais de petróleo e uma empresa que conhece Moçambique.

A Total está presente no país no negócio dos postos de combustível e tem um historial de pesquisa de hidrocarbonetos ao largo da costa moçambicana, atividade em que participou até há três anos.

Após concluídos os negócios em preparação, deverá substituir a Anadarko como líder do consórcio da Área 1 de exploração de gás natural liquefeito (GNL), no norte de Moçambique, cuja produção deverá arrancar em 2024.

Em junho, o consórcio de exploração de gás natural em Moçambique, liderado pela petrolífera norte-americana Anadarko, anunciou o investimento na Área 1 da Bacia do Rovuma, em Cabo Delgado (norte de Moçambique), um dos maiores de sempre no país, avaliado em 25 mil milhões de dólares (22,2 mil milhões de euros), e que representa o dobro do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Na semana passada, o Governo moçambicano e o consórcio da Eni e Exxon Mobil assinaram o segundo acordo complementar do contrato de pesquisa e produção de gás natural da Área 4, norte de Moçambique.

Os projetos de gás da Área 1 e Área 4 (liderado pela Exxon e Eni) deverão colocar Moçambique no 'top 10' dos maiores produtores mundiais e acelerar o crescimento económico para incrementos entre 7% a 10% ao ano.

MBA (RBF/LFO) // JH

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Brexit: União Europeia e Reino Unido alcançam acordo para a saída

A União Europeia e o Reino Unido alcançaram hoje um acordo para a saída do país do bloco comunitário após longas negociações, anunciaram hoje na rede social Twitter o presidente da Comissão Europeia e o primeiro-ministro britânico.

Brexit: PM Boris Johnson suspende legislação do acordo após derrota parlamentar

Londres, 22 out 2019 (Lusa) - O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou hoje que o governo vai suspender o processo legislativo para o 'Brexit' e acelerar os preparativos para uma saída sem acordo na sequência de uma derrota no parlamento.

Nanopartícula com glúten pode reverter doença celíaca, segundo ensaio clínico

Barcelona, Espanha, 22 out 2019 (Lusa) - Um tratamento com uma nanopartícula biodegradável que contém glúten pode reverter a doença celíaca, segundo um ensaio clínico hoje apresentado em Barcelona, Espanha.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.