Info

Greve dos motoristas está a causar prejuízos de dezenas de milhares de euros por dia para empresas

Greve dos motoristas está a causar prejuízos de dezenas de milhares de euros por dia para empresas
| Economia
Porto Canal com Lusa

O presidente do Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), Francisco São Bento, disse esta terça-feira que as empresas de transporte de combustíveis estão a ter prejuízo de dezenas de milhares de euros por cada dia de greve.

"Acredito que seja algumas dezenas de milhares de euros diários que as empresas estão a abdicar", afirmou Francisco São Bento à agência Lusa, em Aveiras de Cima, precisando que os motoristas só estão a fazer oito horas de trabalho.

De acordo com dirigente, o facto de os motoristas estarem apenas a cumprir oito horas de trabalho terá impacto negativo nas empresas.

"Uma vez que só estão a fazer oito horas, com certeza que estão a ter algum impacto financeiro nas empresas", adiantou o presidente do SNMMP, indicando que não serão cumpridas "as outras seis ou sete horas que costumavam fazer".

Por seu lado, Francisco São Bento explicou que o impacto financeiro para os trabalhadores é praticamente nulo, porque estão a trabalhar na totalidade.

"Os trabalhadores estão a trabalhar na mesma. Simplesmente não estão a continuar, digamos, durante o período da greve com esta atrocidade que lhes é aplicada diariamente, que é trabalhar 13, 14 ou 15 horas", disse, acrescentado que os mesmos estão a "conseguir exercer a greve e trabalhar".

O sindicato diz que o número de grevistas atinge os 80 a 90% dentro do setor das matérias perigosas, o mesmo número avançado na segunda-feira.

O advogado do sindicato, Pardal Henriques, disse que, apesar de conseguirem aguentar a greve por tempo indeterminado, uma vez que os motoristas estão a cumprir as oito horas de serviço e, por isso, vão ser remunerados, continua a acreditar que "a qualquer momento a Antram tenha a decência" de os "chamar para conversar" e chegarem a acordo para acabar com a greve.

Ao fim do primeiro dia de greve de motoristas, o Governo decretou a requisição civil, alegando o incumprimento dos serviços mínimos.

O secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, Tiago Antunes, após uma reunião do executivo por via eletrónica, justificou a medida depois de o Governo ter constatado que os sindicatos que convocaram a greve dos motoristas de mercadorias e de matérias perigosas "não asseguraram os serviços mínimos", particularmente no turno da tarde.

A greve que começou na segunda-feira, por tempo indeterminado, foi convocada pelo SNMMP e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), com o objetivo de reivindicar junto da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

+ notícias: Economia

Elisa Ferreira garante que proposta europeia de redução de apoios a Portugal não vai avançar

Depois da Comissão Europeia ter proposto reduzir os apoios a Portugal em cerca de 7%, a presidência finlandesa foi mais drástica e pediu a redução de 10% dos apoios. Em declarações ao Porto canal, a comissária europeia foi ainda cautelosa sobre o próximo quadro comunitário e sobretudo sobre as verbas que vão estar destinadas a Portugal.

Governo foi "até onde podia ir" nos aumentos salariais na Função Pública

O secretário de Estado da Administração Pública, José Couto, garantiu hoje que o Governo "foi até onde podia ir" em matéria de atualização dos salários com a proposta de 0,3% e destacou o esforço do executivo de "regressar à normalidade".

Dormidas de turistas crescem 2,1% em outubro suportadas pelo alojamento local

As dormidas em alojamento turístico desaceleraram em outubro, aumentando 2,1% face ao mês homólogo de 2018 e impulsionadas pelo alojamento local, que subiu 11,3%, já que a hotelaria cresceu 0,7%, divulgou hoje o INE.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.