Info

Greve dos trabalhadores do Hospital Amadora-Sintra com adesão superior a 95%

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 22 mai 2019 (Lusa) - A greve dos trabalhadores do Hospital Amadora-Sintra está a registar uma adesão superior a 95%, com as consultas externas encerradas, segundo o sindicato que decretou a paralisação.

Sebastião Santana, dirigente da Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, disse que o Hospital Fernando da Fonseca está hoje a trabalhar em serviços mínimos, sendo que no bloco operatório só estão a ser atendidas as situações urgentes e emergentes.

Os trabalhadores reivindicam a aplicação neste hospital do acordo coletivo de trabalho que vigora em todas as unidades hospitalares EPE do país.

Os trabalhadores reclamam ainda o salário mínimo da Função Publica (635 euros) quando o Amadora-Sintra está a pagar 600 euros.

Sebastião Santana, em declarações à agência Lusa, lamentou que nestes aspetos o hospital seja "uma ilha no SNS".

Algumas dezenas de trabalhadores começaram a concentrar-se junto à entrada do hospital antes das 12:00, uma forma de protesto para reforçar a greve que se estende até ao final do dia de hoje

Esta greve coincide com o terceiro dia de paralisação dos anestesistas do Amadora-Sintra.

O pré-aviso foi emitido para todos os trabalhadores mas o sindicato representa essencialmente os cerca de 650 auxiliares e 280 administrativos do hospital.

ARP/CZBD // JMR

Lusa/fim

+ notícias: País

Incêndio numa casa de Santa Comba Dão provoca três feridos, um deles grave

Um ferido grave, dois feridos ligeiros e um assistido é o balanço de um incêndio registado esta segunda-feira numa casa em Santa Comba Dão, disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Viseu.

Chuva regressa ao país a partir desta segunda-feira

A chuva regressa a partir dsta segunda-feira a Portugal continental, mas com temperaturas que podem chegar aos 30 graus Celsius nas regiões do Alentejo, disse à Lusa a meteorologista Joana Sanches.

Autarquia de Viseu diz que solução encontrada para os doentes oncológicos não pode ser definitiva

O Centro Hospitalar Tondela-Viseu vai receber um reforço de médicos de Coimbra e Vila Real, para que os doentes oncológicos não sejam deslocados. Uma solução que resolve o problema no imediato mas autarquia e doentes dizem que não pode ser definitiva.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.