Info

Seis detidos em Cascais e Loures por assaltos com arma de fogo

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 22 mai 2019 (Lusa) -- Seis pessoas foram hoje detidas pela prática, em coautoria, de vários crimes de roubo com arma de fogo, na sequência de buscas domiciliárias nos concelhos de Cascais e Loures, no distrito de Lisboa, indicou a Polícia Judiciária (PJ).

Em comunicado, a PJ adianta que foram detidos três homens e três mulheres, com idades compreendidas entre os 17 e os 49 anos, no âmbito da Operação "Good Girls", que decorreu hoje de manhã nos concelhos de Cascais e Loures.

Anteriormente, uma fonte da PSP (que apoiou a operação) tinha dito à Lusa que as buscas estavam a decorrer em dois bairros de Loures: Quinta da Fonte e da Cruz Vermelha.

Na nota, a PJ explica que os "factos ocorreram entre 2018 e a atualidade, em vários concelhos da área metropolitana de Lisboa, tendo os presumíveis autores assaltado postos de abastecimento de combustíveis, farmácias e um estabelecimento de massagens", ficando com dinheiro e outros bens de valor.

Durante a operação, a PJ apreendeu algumas centenas de doses de estupefacientes, nomeadamente cocaína e haxixe.

Os detidos serão presentes a primeiro interrogatório judicial, no qual serão sujeitos à aplicação de medidas de coação.

DD // MLS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Incêndio numa casa de Santa Comba Dão provoca três feridos, um deles grave

Um ferido grave, dois feridos ligeiros e um assistido é o balanço de um incêndio registado esta segunda-feira numa casa em Santa Comba Dão, disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Viseu.

Chuva regressa ao país a partir desta segunda-feira

A chuva regressa a partir dsta segunda-feira a Portugal continental, mas com temperaturas que podem chegar aos 30 graus Celsius nas regiões do Alentejo, disse à Lusa a meteorologista Joana Sanches.

Autarquia de Viseu diz que solução encontrada para os doentes oncológicos não pode ser definitiva

O Centro Hospitalar Tondela-Viseu vai receber um reforço de médicos de Coimbra e Vila Real, para que os doentes oncológicos não sejam deslocados. Uma solução que resolve o problema no imediato mas autarquia e doentes dizem que não pode ser definitiva.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.