Info

Ci.CLO Bienal Fotografia reúne 16 exposições de 53 artistas em 15 espaços do Porto

| Norte
Porto Canal com Lusa

Porto, 14 mai 2019 (Lusa) -- A primeira edição da Ci.CLO Bienal Fotografia do Porto, que arranca na quinta-feira e se prolonga até 02 de julho, vai levar 16 exposições de 53 artistas nacionais e estrangeiros a 15 espaços da cidade.

"Adaptação e Transição" é o tema da edição inaugural, propondo um espaço de debate, investigação e criação onde possam emergir trabalhos que proponham uma renovação, que estimulem o questionamento e a formação de novas visões e perspetivas, afirmou à Lusa o diretor artístico da Ci.CLO, Virgílio Ferreira.

Tendo como ponto de partida as mudanças culturais e ambientais e o reconhecimento do ser humano enquanto força de construção e destruição da estrutura do planeta, a bienal quer promover a criação, debate e reflexão da arte fotográfica, referiu.

O desafio passa por pensar os sintomas desta crise ecológica e 're-imaginar' outras estratégias de regeneração social e ambiental, através da prática artística, reforçou.

Esta bienal quer funcionar como um "grito de alerta" para as crises sociais e ambientais que a sociedade atravessa, lembrando que há coisas que ainda podem ser feitas para as minimizar, frisou.

Virgílio Ferreira explicou que a Ci.CLO desenvolve um trabalho contínuo de pesquisa e experimentação em colaboração com artistas que, a partir da fotografia e da sua relação transdisciplinar com outros campos artísticos, coloquem em questão as suas próprias metodologias e proponham narrativas, tanto utópicas como distópicas, motivadas por mudanças culturais e ambientais.

As exposições são compostas por projetos inéditos desenvolvidos por artistas nacionais e internacionais, consagrados e emergentes, com intervenção em 15 espaços da cidade, nomeadamente Jardins do Palácio de Cristal, Reitoria da Universidade do Porto, Galerias e átrios do edifício dos Paços do Concelho da Câmara Municipal do Porto, Mira Fórum, Palácio de Belomonte, Centro Português de Fotografia, Museu da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Salut Au Monde!, Casa do Infante, Galeria Painel do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, Palacete Viscondes de Balsemão, Casa Tait, Estação de Metro São Bento e Aliados.

Uma dessas exposições "Stories on Earthly Survival", no Centro Português de Fotografia, a 18 de maio, terá curadoria de Krysztof Candrowicz, diretor artístico da Trienal de Fotografia de Hamburgo, na Alemanha.

Entre os autores estão, entre muitos outros, Alberto Giuliani (Itália), Constanze Flamme (Alemanha), Ewa Ciechanowska e Artur Urbanski (Polónia).

Após a bienal alguns trabalhos serão selecionados para uma itinerância nacional e internacional, acrescentou.

Pensado a partir de formatos artísticos e educativos multidisciplinares, e com o intuito de estimular métodos de formação-criação-ação, o programa da Ci.CLO inclui ainda oficinas, um simpósio e a edição de um Guia Verde.

"O objetivo é estimular os artistas e a comunidade a contribuir para a integração das artes na sensibilização para a sustentabilidade", explicou Virgílio Ferreira.

Ci.CLO Bienal'19 conta com o apoio da Direção-Geral das Artes e da Câmara Municipal do Porto, bem como da Fundação Ásia-Europa e a Trienal de Fotografia de Hamburgo - um dos maiores eventos de fotografia da Europa.

SVF // MAG

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Canta-me Estórias - Dealema

Uma viagem ao mundo de uma banda que está junta à um quarto de século e partilha a paixão pelo Hip-Hop.

Moradores de Miragaia pagam para estacionar mas nunca têm lugar

Vários moradores da zona de Miragaia, no Porto, estão revoltados porque pagam para ter um dístico exclusivo para residentes mas não conseguem estacionar as viaturas, é que os lugares estão sempre ocupados por 'gente de fora'. A autarquia reconhece que é um problema que tem de ser resolvido.

Obras da marginal da Foz do Porto reduzem tamanho das faixas a ponto de não caberem autocarros

As obras na marginal da Foz, no Porto, estão a gerar polémica. É que a ciclovia deixou o passeio e passou para a estrada, o que obrigou a reduzir o tamanho das faixas. Os moradores queixam-se da falta de segurança depois da intervenção.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.