Info

A poesia do autor da Capela Sistina inaugura a coleção "Itálica" da Imprensa Nacional

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 20 abr 2019 (Lusa) - Os volumes inaugurais da coleção "Itálica", da Imprensa Nacional, "Rimas", de Miguel Ângelo Buonarroti, e "Rimas", de Guido Cavalcanti, são apresentados na próxima segunda-feira, em Lisboa, anunciou a editora.

As traduções destas obras - "as primeiras em Portugal", segundo a Imprensa Nacional (IN) -, feitas por João Pedro Ferrão, que traduziu Buonarroti, e A. Ferreira da Silva, tradutor de Cavalcanti, conquistaram menções honrosas no Prémio IN/Vasco Graça Moura, de 2017.

Miguel Ângelo Buonarroti é o autor do David e dos frescos da Capela Sistina, "e bastariam essas duas obras para definir a grandeza do seu génio", escreve Nuno Júdice - que participará na apresentação das obras, na segunda-feira -, chamando a atenção para o facto de, "além das obras-primas [do artista], que surgem em todas as obras de referência", a poesia de Miguel Ângelo ter ficado "reservada aos poucos que se interessam pelas letras dessa primeira metade" do século XVI.

Nuno Júdice assina o prefácio de "Rimas" e atesta: "Temos agora a oportunidade, numa admirável tradução, de ler a poesia de Miguel Ângelo" e "o poeta não se afasta do pintor", em qualidade e génio.

O artista e arquiteto português Francisco de Holanda conheceu Miguel Ângelo, em finais da década de 1530, e da sua estadia em Roma escreveu "Diálogos de Roma", uma "obra excecional" à qual Júdice recorre para contextualizar a poesia do escultor de "Pietá".

"É nas poucas referências que faz à relação entre poesia e pintura que Miguel Ângelo revela a sua conceção, segundo a qual, na linha de Horácio, 'poetas e pintores têm poder para ousarem, digo ousarem o que lhes aprouver. E este ver bem e este poder sempre o tiveram; que quando quer que algum grande pintor (o que mui poucas vezes acontece) faz alguma obra que parece falsa e mentirosa, aquela tal falsidade é mui verdadeira'. Miguel Ângelo converte em elogio o que, em Horácio, soa como censura".

Júdice, professor na Universidade Nova de Lisboa e escritor, refere que "quase que ouvimos, nestas palavras, o início da 'Autopsicografia' de Pessoa, quando diz que 'finge tão completamente/ que chega a fingir que é dor/ a dor que deveras sente'".

Sobre a poesia de Miguel Ângelo declara: "Não encontramos nestes poemas outro fingimento que não seja a expressão do seu mundo e da sua vida; e talvez seja este lado confessional, por vezes que é dado através de uma forma ora satírica ora lírica, que fez desta poesia um objeto difícil de classificar e, por isso mesmo, vivendo no seu tempo e para além do tempo".

Sobre Guido Cavalcanti, a professora Rita Marnot - que também estará na apresentação das obras - refere a "subtileza refinada e altiva" do "poeta-filósofo", "sempre absorto nas suas abstrações", e que impôs a sua independência às grandes casas de Florença.

"Compreender o poeta-filósofo não estava ao alcance de qualquer um. A agilidade do movimento e o dito de espírito salvavam a alma e o corpo, numa encenação, muito à sua maneira, do dia da ressurreição. Tirava partido do cenário, batistério e cemitério, início e fim da vida. Às insinuações acerca do seu epicurismo e da sua descrença na vida para além da morte, respondia com um gesto que o libertava do cerco que lhe estava a ser montado", escreve Rita Marnot.

"As 'Rimas' de Guido Cavalcanti são formadas por cerca de meia centena de poemas, a maior parte dos quais sonetos, ao que se acrescentam várias baladas, duas canções e duas estrofes de canção. Compreendem diversos filões, entre composições de correspondência, de temática amorosa, da esfera 'metaliterária' ou de incidência histórica, não sendo possível estabelecer a sua cronologia relativa nem apurar um sistema de ordenação originário", afirma Marnot.

Rita Marnot, professora da Universidade de Coimbra, argumenta que Cavalcanti deu "um salto no tempo que o projeta até à nossa atualidade", e explica: "O fluxo problematizante que em Cavalcanti liga corpo e espírito, o eu e o outro, o sujeito e a escrita, sem iludir nem as suas contradições nem a complexidade das reações fenomenológicas descritas, é o fio contínuo que faz do seu autor um poeta pré-moderno".

A sessão de apresentação da coleção, dedicada a escritores italianos, tem lugar na próxima segunda-feira, às 18:00, na biblioteca da Imprensa Nacional, conta com a presença dos tradutores, do diretor da coleção, António Mega Ferreira, do diretor da Unidade de Edições e Cultura da IN, Duarte Azinheira, do poeta Jorge Reis-Sá, membro do júri do Prémio IN/Vasco Graça Moura, cabendo a apresentação das obras a Nuno Júdice e Rita Marnot.

NL // MAG

Lusa/Fim

+ notícias: País

Dezassete elementos dos 'Hells Angels' detidos por suspeitas de associação criminosa

A Polícia Judiciária deteve esta terça-feira 17 pessoas em vários pontos do país do grupo 'Hells Angels' por suspeitas de associação criminosa e o seu primeiro interrogatório judicial decorrerá na quarta-feira no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa.

Associações de militares, GNR e polícia marítima contra diploma de carreiras especiais

Associações profissionais de militares, da Guarda Nacional Republicana e da Polícia Marítima criticaram esta terça-feira o decreto-lei sobre as carreiras especiais publicado na segunda-feira, que consideram injusto por não corrigir as consequências do tempo de serviço congelado.

Região Centro regista aumento de sofisticação nos crimes de violência doméstica

Os casos de violência doméstica que têm chegado ao Gabinete de Apoio à Vítima de Coimbra não têm aumentado ao longo dos anos, mas regista-se um incremento ao nível de sofisticação por parte dos agressores e no recurso às redes sociais.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.