Info

GNR deteve 58 pessoas em flagrante delito nas últimas 12 horas

GNR deteve 58 pessoas em flagrante delito nas últimas 12 horas
| País
Porto Canal com Lusa

A GNR deteve 58 pessoas em flagrante delito, entre as 20h00 de sábado e as 08h00 deste domingo, em ações de prevenção e combate à criminalidade violenta e fiscalização rodoviária.

Do total de detidos, 38 foram por condução sob o efeito do álcool, nove por condução sem habilitação legal, quatro por tráfico de estupefacientes, um por violência doméstica e um por posse de arma proibida.

Durante as ações de fiscalização foram ainda apreendidas 11 doses de heroína e oito de haxixe, além de uma arma branca.

No âmbito da fiscalização rodoviária, a GNR detetou ainda 474 infrações, destacando-se 83 por condução com taxa de álcool no sangue superior ao permitido por lei, 35 por excesso de velocidade, 32 por uso indevido do telemóvel no exercício da condução, e 32 por falta ou incorreta utilização do cinto de segurança e/ou sistema de retenção para crianças.

A GNR detetou ainda 55 infrações por falta de inspeção periódica obrigatória, 14 por anomalias nos sistemas de iluminação e sinalização, 15 por infrações relacionadas com os tacógrafos e 19 por falta de seguro de responsabilidade civil obrigatório.

Em relação à sinistralidade, a GNR registou 32 acidentes que provocaram dois feridos graves e oito ligeiros.

+ notícias: País

Associação da GNR diz que agressões a militares em serviço estão a aumentar

A Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) lamentou este sábado que o Governo "ainda não tenha considerado" os polícias como uma profissão de risco, sublinhando que cada vez mais os militares da GNR são agredidos em serviço.

Incêndio em Oiã, Aveiro, provoca quatro feridos

Um incêndio numa fábrica de bicicletas na freguesia de Oiã, Oliveira do Bairro, distrito de Aveiro, causou este sábado quatro feridos, entre eles um bombeiro, disse à agência Lusa fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Falta de pagamento do Estado aos hospitais privados põe em causa cirurgias

Os hospitais privados ameaçam parar de fazer cirurgias aos doentes enviados pelo Serviço Nacional de Saúde caso o Estado continue a demorar tanto tempo a pagar. Já há médicos a recusar-se a operar uma vez que depois têm de esperar mais de dois anos para receber.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.