Info

Autoridades brasileiras apreendem 1,8 toneladas de cocaína que seriam enviadas para a Europa

| Mundo
Porto Canal com Lusa

São Paulo, Brasil, 11 mar (Lusa) - Quase 1,8 toneladas de cocaína foram apreendidas no porto de Santos, o maior do Brasil, dentro de um contentor com uma carga de limões que seria enviado para Espanha, anunciaram hoje as autoridades locais.

A operação, que data de sexta-feira, "apreendeu 1.787 quilos de cocaína", refere-se num comunicado da alfândega brasileira.

O mesmo órgão destacou que esta foi "a maior quantidade [de drogas] já apreendida num único contentor" no porto de Santos.

A droga, que estava escondida entre os limões em caixas de papelão, foi detetada por 'scanners' de raios X e cães farejadores. A carga seria enviada para a cidade espanhola de Cartagena.

A Alfândega brasileira explicou que os traficantes provavelmente recorreram a uma técnica de "introduzir a droga no meio de uma carga legal sem o conhecimento dos exportadores e importadores dessa carga".

O porto de Santos é o local com maior número de apreensões de cocaína do Brasil. Em 2018, mais de 23 toneladas desta droga foram apreendidas no local.

CYR // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Covid-19: China aprova vacina para uso exclusivo dos militares

A China aprovou esta segunda-feira uma vacina contra o novo coronavírus, para uso interno no Exército de Libertação Popular, as forças armadas do país, após resultados positivos nos ensaios clínicos.

Covid-19: Brasil começa a testar vacina chinesa da Sinovac este mês

São Paulo, 06 jul 2020 (Lusa) -- Uma potencial vacina contra a covid-19 desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac, batizada de CoronaVac, vai começar a ser testada no Brasil em 20 de julho, anunciou hoje o governador do estado de São Paulo, João Doria.

África Subsaariana com média semanal de 4.500 novas infeções por HIV em raparigas - ONU

Genebra, 06 jul 2020 (Lusa) - Uma média semanal de 4.500 adolescentes e jovens ficaram infetadas com HIV, no ano passado, na África Subsaariana, onde mulheres e raparigas representaram 59% das novas infeções, segundo dados da ONUSIDA.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.