Info

Presidente colombiano avisa que não vai recuar perante as guerrilhas

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Bogotá, 10 mar (Lusa) - O Presidente colombiano afirmou que não vai recuar perante o terrorismo, durante uma visita a Arauca, fronteira entre a Colômbia e a Venezuela, local onde a guerrilha do Exército de Libertação Nacional (ELN) tem forte presença.

"Queremos dizer a todas as pessoas de Arauca que aqui não temos medo do terrorismo e aqui é o Governo nacional que impõe as regras neste território", afirmou Ivan Duque, no sábado, perante a população da cidade.

A cidade-fronteira entre a Colômbia e a Venezuela, juntamente com Fortul, Tame e Arauquita, são um dos locais mais ativos da guerrilha ELN que pratica constantes ataques contra oleodutos que passam por esta região, especialmente o oleoduto Limon-Covenas, alvo de vários ataques todos os anos.

No ano passado, as infra-estruturas de petróleo da Colômbia sofreram 107 ataques, dos quais 89 ao Limon-Covenas, todos atribuídos pelas autoridades ao ELN.

"Vamos ser claros: este é um Governo que defende a legalidade, e o compromisso com a legalidade permanecerá (...) enquanto eu exercer a presidência da República. Se o ELN quer provar à Colômbia que está disposto à paz tem de começar a pôr fim a todos esses atos criminosos ", disse Duque.

MIM // MIM

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

China confirma visita de delegação aos EUA para preparar encontro de alto nível

O Governo chinês confirmou esta terça-feira que uma delegação sua vai viajar para os Estados Unidos, visando preparar a reunião de alto nível que tentará, em outubro, concluir um acordo que ponha fim à guerra comercial.

Morreu o cantor Roberto Leal

O cantor Roberto Leal morreu na madrugada deste domingo em São Paulo, no Brasil, disse à agência Lusa o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

Manifestantes junto ao consulado britânico pedem que Reino Unido salve Hong Kong

Centenas de manifestantes estão reunidos no exterior do consulado britânico em Hong Kong, procurando apoio internacional na campanha que dura há mais de três meses por reformas democráticas no território semi-autónomo da China.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.