Info

Pais e alunos protestam de máscara contra amianto na escola em Vieira do Minho

| Norte
Porto Canal com Lusa

Pais e alunos de Vieira do Minho cumprem esta segunda-feira, de máscaras na cara, o terceiro dia de protestos contra o impasse nas obras de requalificação da Escola Básica e Secundária do concelho.

Atualizado 12-02-2019 10:56

O presidente da Associação de Pais, Paulo Magalhães, explicou à Lusa que as máscaras são “uma chamada de atenção e um grito de alerta para o problema muito sério” do amianto na escola.

“São centenas e centenas de alunos, professores e funcionários que todos os dias estão expostos ao amianto, com tudo o que isso implica de risco para a saúde”, referiu.

O protesto de hoje traduz-se num cordão humano, que junta representantes de toda a comunidade escolar.

Na quinta e na sexta-feira, a escola foi fechada a cadeado e ninguém foi às aulas.

Hoje, os portões estão abertos, mas, segundo Paulo Magalhães, só entraram os alunos que têm testes ou visitas de estudo.

O responsável referiu que “mais de 90% dos alunos está do lado de fora e não vai entrar”, adiantando ainda que a luta vai continuar até haver garantia do arranque das obras.

“Queremos uma escola moderna, requalificada, sem amianto, sem chuva e sem frio nas salas de aula, queremos o que muitas escolas no resto do país já têm”, lê-se num comunicado da Associação de Pais.

O presidente da Câmara, António Cardoso, explicou que já foram abertos três concursos para a obra, tendo os dois primeiros ficado vazios.

O vencedor do terceiro, por sua vez, “não reuniu as condições necessárias para iniciar os trabalhos”.

Para o autarca, é necessário subir o preço base em 300 mil euros para aparecerem candidatos à obra.

A Câmara diz que já pediu ao Ministério da Educação que suportasse aqueles 300 mil euros, para que a empreitada tivesse condições de ser adjudicada nos moldes em que foi concebido todo o projeto.

“Foi-nos proposto que revíssemos o projeto, para enquadrar a obra dentro dos valores previstos, mas não estamos disponíveis para isso. O projeto já foi revisto duas vezes e já chega. A escola precisa de uma intervenção a sério e não de uma intervenção faz de conta”, referiu António Cardoso.

A obra foi a concurso por 2,7 milhões de euros, um investimento que será comparticipado em 75% por fundos comunitários.

A Câmara já assumiu que entrará com 225 mil euros, apesar de se tratar de uma obra da competência do Governo.

“O município até pode, eventualmente, disponibilizar mais algum dinheiro para a obra, mas não os 300 mil euros, porque não tem capacidade para tal”, referiu António Cardoso.

Contactado pela Lusa, o Ministério da Educação já disse que “está em contacto com a Câmara Municipal de Vieira do Minho de modo a encontrar uma solução que permita, tão breve quanto possível, iniciar essa obra”.

+ notícias: Norte

Acidente entre duas motas faz um ferido grave na zona de Viana do Castelo

Uma colisão entre duas motas fez um ferido grave na A28 em Freixieiro de Soutelo, em Viana do Castelo, na tarde desta sábado, apurou o Porto Canal.

 

Uma família desalojada e nove casas atingidas com queda de grua no Porto

A grua que caiu hoje numa rua da cidade do Porto provocou o desalojamento de uma família e danos em nove casas, adiantou à Lusa fonte do Comando Distrital de Operação de Socorros (CDOS) do Porto.

Habitantes de Amarante e Celorico de Basto aliviados pela construção da barragem de Fridão não avançar

A EDP ameaça avançar sozinha para a construção da barragem de Fridão se o Governo não lhe devolver os 218 milhões de euros já investidos. É a resposta da elétrica ao anúncio do ministro Matos Fernandes, de cancelar a construção da barragem no rio Tâmega. Um anúncio que também fez reagir alguns autarcas que falam em ato criminoso e que ameaçam levar o Governo a tribunal.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.