Info

Pais e alunos protestam de máscara contra amianto na escola em Vieira do Minho

| Norte
Porto Canal com Lusa

Pais e alunos de Vieira do Minho cumprem esta segunda-feira, de máscaras na cara, o terceiro dia de protestos contra o impasse nas obras de requalificação da Escola Básica e Secundária do concelho.

Atualizado 12-02-2019 10:56

O presidente da Associação de Pais, Paulo Magalhães, explicou à Lusa que as máscaras são “uma chamada de atenção e um grito de alerta para o problema muito sério” do amianto na escola.

“São centenas e centenas de alunos, professores e funcionários que todos os dias estão expostos ao amianto, com tudo o que isso implica de risco para a saúde”, referiu.

O protesto de hoje traduz-se num cordão humano, que junta representantes de toda a comunidade escolar.

Na quinta e na sexta-feira, a escola foi fechada a cadeado e ninguém foi às aulas.

Hoje, os portões estão abertos, mas, segundo Paulo Magalhães, só entraram os alunos que têm testes ou visitas de estudo.

O responsável referiu que “mais de 90% dos alunos está do lado de fora e não vai entrar”, adiantando ainda que a luta vai continuar até haver garantia do arranque das obras.

“Queremos uma escola moderna, requalificada, sem amianto, sem chuva e sem frio nas salas de aula, queremos o que muitas escolas no resto do país já têm”, lê-se num comunicado da Associação de Pais.

O presidente da Câmara, António Cardoso, explicou que já foram abertos três concursos para a obra, tendo os dois primeiros ficado vazios.

O vencedor do terceiro, por sua vez, “não reuniu as condições necessárias para iniciar os trabalhos”.

Para o autarca, é necessário subir o preço base em 300 mil euros para aparecerem candidatos à obra.

A Câmara diz que já pediu ao Ministério da Educação que suportasse aqueles 300 mil euros, para que a empreitada tivesse condições de ser adjudicada nos moldes em que foi concebido todo o projeto.

“Foi-nos proposto que revíssemos o projeto, para enquadrar a obra dentro dos valores previstos, mas não estamos disponíveis para isso. O projeto já foi revisto duas vezes e já chega. A escola precisa de uma intervenção a sério e não de uma intervenção faz de conta”, referiu António Cardoso.

A obra foi a concurso por 2,7 milhões de euros, um investimento que será comparticipado em 75% por fundos comunitários.

A Câmara já assumiu que entrará com 225 mil euros, apesar de se tratar de uma obra da competência do Governo.

“O município até pode, eventualmente, disponibilizar mais algum dinheiro para a obra, mas não os 300 mil euros, porque não tem capacidade para tal”, referiu António Cardoso.

Contactado pela Lusa, o Ministério da Educação já disse que “está em contacto com a Câmara Municipal de Vieira do Minho de modo a encontrar uma solução que permita, tão breve quanto possível, iniciar essa obra”.

+ notícias: Norte

Homem agredido e sequestrado durante assalto à sua residência em Famalicão

Um homem de 27 anos foi agredido e sequestrado na última noite durante um assalto à mão armada à casa onde reside em Oliveira S. Mateus, em Famalicão, disse hoje fonte da GNR.

Estudo de investigadores do Porto conclui que cães podem ajudar a detetar doneças oncológicas

Um grupo de investigadores do Porto realizaram um estudo e concluíram que os cães ao partilharem com um humano a mesma "exposição ambiental" podem alertar para o surgimento de doenças oncológicas.

Ana Pires: a primeira cientista-astronauta portuguesa da NASA

É natural de Espinho, tem 38 anos e tornou-se na primeira cientista-astronauta portuguesa da NASA. Ana Pires quer agora prosseguir os estudos na agência espacial americana e colocar Portugal no mapa espacial.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.