Info

PCP critica Governo por adiar Hospital Central do Alentejo para a "próxima legislatura"

| Política
Porto Canal com Lusa

Évora, 11 jan (Lusa) -- O PCP criticou hoje o Governo por ter "adiado" a construção do novo Hospital Central do Alentejo, acusando o executivo socialista de remeter a adjudicação da obra "para a próxima legislatura".

"O grupo parlamentar do PCP questionou o Governo sobre o adiamento da construção do novo hospital central público do Alentejo para a próxima legislatura, bem como sobre a falta de informação sobre a utilização de dotações orçamentais em 2019 com esse objetivo", pode ler-se num comunicado divulgado hoje pelos comunistas.

Segundo a Direção da Organização Regional de Évora (DOREV) do PCP, os deputados comunistas João Oliveira, Carla Cruz e João Dias entregaram no parlamento, na quinta-feira, duas perguntas dirigidas ao Ministério da Saúde a propósito do Hospital Central do Alentejo, projetado para Évora.

Estas iniciativas do PCP aconteceram no mesmo dia em que o Governo aprovou, em reunião de Conselho de Ministros, uma resolução que "estabelece o caráter prioritário" da construção do Hospital Central do Alentejo, enquanto "projeto estruturante de investimento público previsto no Programa de Estabilidade 2018-2022 e no Orçamento de Estado para 2019".

Já antes, em outubro, o PCP tinha questionado o Governo sobre o novo hospital e, em resposta, "o Ministério da Saúde veio reconhecer que o concurso para a construção da nova unidade foi adiado e apenas poderá ocorrer no 1.º semestre" deste ano, sem que tenha "prestado qualquer esclarecimento sobre as dotações orçamentais previstas para esse efeito".

"O adiamento pelo Governo do lançamento do concurso para o 1º semestre significa que a adjudicação da obra ficará remetida para a próxima legislatura, dependente da decisão e vontade do próximo Governo", criticou o PCP.

Segundo os comunistas, desta forma, "por decisão e opção do Governo, perde-se a oportunidade de avançar com a construção do novo hospital central público do Alentejo na atual legislatura, deixando mais uma vez na incerteza a concretização deste investimento estruturante para o Alentejo".

O PCP quer agora saber qual a "justificação para este atraso" e "que medidas vai o Governo tomar para evitar esse desfecho e em que prazo".

Além disso, os parlamentares comunistas pretendem também esclarecimentos do Governo sobre "quais as dotações orçamentais que o Governo prevê afetar" ao projeto do hospital este ano e "a partir dos orçamentos de que ministérios e serviços".

O Governo apresenta hoje à tarde, em Évora, o projeto de financiamento do novo hospital, no âmbito da reprogramação do Portugal 2020, segundo o Ministério da Saúde.

Na cerimónia, presidida pelo primeiro-ministro, António Costa, e em que participam também os ministros da Saúde e do Planeamento e Infraestruturas, Marta Temido e Pedro Marques, respetivamente, vai ser feito o anúncio do concurso do programa comunitário Portugal 2020 para o financiamento do hospital, através de apoios do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), no valor de 40 milhões de euros.

A ministra da Saúde, em declarações hoje à agência Lusa, disse que o concurso para a construção do hospital deverá ser lançado "durante o 1.º semestre ou início do 2.º semestre" deste ano, afirmando esperar que, "em 2020, seja possível iniciar a obra".

O novo hospital, de acordo com o Ministério da Saúde, deverá implicar um investimento total de 181 milhões de euros: 150 milhões para o edificado e 31 milhões em custos com equipamentos.

RRL // MLM

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Mariana Mortágua defende que a Caixa Geral de Depósitos devia financiar setores estratégicos para o país

Mariana Mortágua, deputada do Bloco de Esquerda, afirma que o Governo, em coordenação com o Parlamento, deveria definir a estratégia de atividade da Caixa Geral de Depósitos para se "evitar financiar atividades especulativas de empresários aventureiros" e dar prioridade a financiar setores estratégicos para o país.

"O PS continua a ser muito permeável a conjunto de interesses"

Mariana Mortágua, deputada do Bloco de Esquerda, afirma que o Partido Socialista "continua a ser muito permeável a conjunto de interesses que sempre moldaram a atuação" dos socialista e que isso se reflete na hora de votar.

Ministra Marta Temido encabeça lista do PS pelo círculo de Coimbra

 A ministra da Saúde, Marta Temido, vai encabeçar a lista socialista pelo círculo eleitoral de Coimbra nas próximas eleições legislativas, disse à agência Lusa a secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.