Info

Lar de idosos ilegal encerrado em Évora e suposta responsável detida

Lar de idosos ilegal encerrado em Évora e suposta responsável detida
| País
Porto Canal com Lusa

Um lar de idosos ilegal foi encerrado em Évora e a suposta responsável do espaço, uma mulher de 45 anos, foi detida por suspeitas da prática de crimes de maus-tratos, divulgou hoje o Ministério Público (MP).

Segundo um comunicado publicado na página de Internet do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Évora, a operação, que decorreu na quarta-feira, contou com a participação de elementos do MP, PSP e Segurança Social.

Foram realizadas buscas numa moradia, localizada na cidade de Évora, onde alegadamente funcionava o lar de idosos que não estava licenciado, na sequência de uma investigação por suspeitas da prática de crimes de maus-tratos.

Segundo o comunicado, a mulher, detida no decurso da operação por ser suspeita de ser a responsável pelo estabelecimento ilegal, vai ser presente ao juiz de instrução criminal de Évora para interrogatório e aplicação de eventuais medidas de coação.

As diligências foram acompanhadas por elementos do Gabinete Médico Legal de Évora e da Segurança Social, tendo sido determinado "o encerramento imediato do espaço" e procedido ao encaminhamento dos utentes para outras instituições, acrescentou o MP.

+ notícias: País

Número de feridos sobre para 20 no distrito de Castelo Branco

O ministro da Administração Interna indicou hoje que subiu para 20 o número de feridos nos incêndios que lavram desde a tarde de sábado no distrito de Castelo Branco e que se propagaram a Mação, distrito de Santarém.

Tecnologia 'morta' nas esquadras impede PSP e GNR de ceder à base de dados de informação policial

Milhares de computadores das esquadras da PSP e da GNR estão sem acesso à base de dados do sistema de informações. Tudo porque são antigos e não suportam a última atualização do Sistema. O Governo desmente.

GNR aumentou psicólogos e faz reavaliação psicológica ao efetivo

 A GNR aumentou o número de psicólogos e de psiquiatras ao serviço dos militares da corporação e está a realizar uma reavaliação psicológica do efetivo como medida de prevenção do suicídio.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.