Info

Versão moderna de velas pode ser caminho para reduzir emissões poluentes de navios

| País
Porto Canal com Lusa

Londres, 07 dez (Lusa) - Uma versão moderna de vela, mais parecida com uma chaminé giratória, é uma solução estudada por algumas companhias de navegação para tornar menos poluente um setor que emite quase mil milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano.

Tal como a aviação, o transporte marítimo não está coberto pelos compromissos do Acordo de Paris sobre redução de emissões de gases com efeito de estufa porque não se consegue determinar a responsabilidade de cada país nas emissões daí resultantes.

As emissões do setor da navegação, que move constantemente cerca de 50 mil navios, deverão aumentar entre 50 e 250 por cento até 2050 se nada for feito, e é com isso que contam empresas tecnológicas que estão a vender as velas futuristas que convertem o vento em força motriz para os navios.

"É uma tecnologia antiga", afirmou à Associated Press o presidente da empresa finlandesa Norsepower, que fabrica "velas rotor", uma das hipóteses que algumas empresas de navegação já estão a experimentar, depois de a Organização Marítima Internacional, a agência marítima da ONU, ter concordado em abril passado cortar metade das emissões até 2050.

A agência pretende que os navios comecem a usar combustível com baixo teor de enxofre já em 2020, o que obrigará os armadores a usar combustíveis mais caros e a instalar filtros nos escapes dos motores.

As velas modernas aproveitam até o vento que sopra de lado, usando um princípio delineado em 1920 pelo engenheiro alemão Anton Flettner, que na altura não vingou porque o combustível era bastante mais barato.

Num dia com vento, os rotores conseguem fornecer até metade da propulsão necessária para fazer deslocar um navio.

APN // JMR

Lusa/fim

+ notícias: País

Tempo de espera nos CTT é principal causa de insatisfação dos clientes

Um inquérito da associação Deco a 1.800 clientes dos CTT revela que esperam, em média, 18 minutos para serem atendidos e que o tempo de espera é o que causa mais insatisfação.

Juízes denunciam condições indignas de trabalho em vários Tribunais do país, muitos deles no Norte

As queixas sobre o mau estado de diversos Tribunais do país levaram a que os presidentes das 23 comarcas escrevessem 3500 páginas detalhando situações como buracos por onde chove, casas de banho entupidas e até pragas de piolhos. Este é o cenário retratado pelos juízes numa análise que foi feita ao longo do ano passado e agora revelada sendo que muitos desses cenários acontecem em Tribunais do Norte do país.

Associação de Farmácias alerta que há medicamentos que estão esgotados há mais de um ano

A Associação Nacional de Farmácias alerta que há medicamentos que estão esgotados há mais de um ano. A Ministra da Saúde reconhece os problemas e garante que a situação vai ser resolvida. Os medicamentos em causa são para tratamento de doenças como Parkinson, hipertensão e diabetes.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.