Info

Homem que matou a ex-mulher por asfixia condenado no Porto a 16 anos de prisão

| Norte
Porto Canal com Lusa

O Tribunal de São João Novo, no Porto, aplicou hoje 16 anos de prisão a um homem que se provou ter matado por asfixia a ex-companheira, em outubro de 2017.

Atualizado 05-12-2018 12:55

O arguido, que em audiência se remeteu ao silêncio, foi condenado por um crime de homicídio qualificado.

O tribunal considerou que o arguido matou a mulher por causa da relação que aquela mantinha com o seu patrão e que não evidenciou remorso.

Nas alegações finais, em 24 de setembro, o Ministério Público (MP) pediu a condenação do arguido, sem apontar uma pena concreta.

Já a advogada de defesa, Poliana Pinto Ribeiro, considerou que ficou por provar em audiência a associação do arguido ao crime.

Disse mesmo ser "perigoso" e "violador" dos direitos do arguido condenar com base na exclusão de terceiros e não em provas concretas contra o acusado. E anunciou que vai recorrer do acórdão.

A acusação do processo indica que o acusado, de 57 anos, suspeitava que a vítima, de 40 anos, com quem mantivera uma relação de união de facto até 2015, tinha um relacionamento amoroso com outro homem.

Face a essa desconfiança, em 30 de outubro de 2017 dirigiu-se ao quarto em que a mulher residia, na rua Álvares Cabral, na cidade do Porto, e questionou-a quanto a esse relacionamento, mas ela não lhe respondeu e ordenou-lhe que fosse embora.

"O arguido lançou-lhe as mãos ao pescoço e procurou asfixiá-la, o que veio a conseguir tapando-lhe boca e nariz com uma peça de roupa, assim dando causa à sua morte", refere o MP.

Só cerca de uma semana após a morte da mulher se soube da ocorrência.

+ notícias: Norte

Incêndio provoca uma vítima mortal num prédio no Porto

Uma pessoa morreu na sequência de um incêndio no segundo andar de um prédio na rua Costa Cabral, no Porto, apurou o Porto Canal junto do CDOS do Porto.

Diretora do Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira demite-se

A diretora do Estabelecimento Prisional (EP) de Paços de Ferreira, Maria Fernanda Barbosa, pediu hoje a sua demissão ao diretor-geral de Reinserção e Serviços Prisionais, que já foi aceite, informou hoje o Ministério da Justiça.

Mais de 6 mil pessoas sofrem todos os anos um enfarte do miocárdio

Mais de 6 mil pessoas sofrem todos os anos um enfarte do miocárdio e por dia há em média 12 mortes devido à doença. Detetar rapidamente os sintomas de um enfarte é por isso essencial...e esse é o mote da campanha que hoje arranca, intitulada "cada segundo conta".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.