Info

CIM diz que ainda não há decisões sobre futuro do IC5, em Trás-os-Montes

| Política
Porto Canal com Lusa

Bragança, 10 out (Lusa) -- A Comunidade Intermunicipal (CIM) das Terras de Trás-os-Montes informou hoje que o Governo está a avaliar ainda sem decisões o futuro modelo de exploração da estrada IC5, o itinerário complementar que liga ao Porto e à fronteira.

O esclarecimento surge depois da preocupação manifestada pelos autarcas locais com a possibilidade de a manutenção da via deixar de ser feita pela atual concessionária e passar para a empresa pública Infraestruturas de Portugal (IP).

Os representantes da CIM das Terras de Trás-os-Montes reuniram-se, na segunda-feira, em Lisboa, com o secretário de Estado das Infraestruturas e dão hoje conta, em comunicado, que o Governo prometeu ouvir os autarcas antes de ser tomada uma decisão.

"Guilherme d'Oliveira Martins disse que o processo de desclassificação do IC5 e a transição da exploração para as infraestruturas de Portugal está em avaliação e afiançou aos autarcas das Terras de Trás-os-Montes que nada ficará definido sem os consultar previamente", divulgou a CIM.

Segundo a comunidade intermunicipal, o governante indicou ainda que acontecer o processo de transferência da gestão da estrada, "a manutenção, segurança e vigilância estará sempre assegurada e analisada com os autarcas".

Nesta reunião, a CIM das Terras de Trás-os-Montes garante ter encontrado por parte do secretário de Estado "recetividade relativamente aos investimentos estruturantes para o território no que diz respeito às infraestruturas rodoviárias, ferroviárias e aeroportuárias".

Afiança ainda "o secretário de Estado das Infraestruturas tomou boa nota das necessidades do território, afirmando que estão em análise e mostrando-se recetivo à sua inclusão no Programa Nacional de Investimentos 2030".

As propostas de investimento já apresentadas ao Governo englobam as ligações rodoviárias de Bragança/Vimioso e Bragança /Vinhais, a conclusão da ligação do IC5 a Espanha, a construção da ligação de Bragança a Espanha (Puebla de Sanábria) e da ligação Macedo de Cavaleiros/Vinhais/Espanha (Godinha), ambas com perfil de Itinerário Principal.

A Terras de Trás-os-Montes quer ainda integrados nos investimentos prioritários nacionais "o reforço dos aeródromos locais e a construção de um Aeroporto Regional em Bragança, o corredor ferroviário entre o Porto de Leixões e Zamora (Espanha) e a criação de um Centro de Logística na região".

O secretário de Estado terá ainda garantido que a região "não vai ficar sem ligação aérea" perante as preocupações dos autarcas com os prazos do concurso para nova concessão da carreira Bragança/Vila Real/Viseu/Tires/Portimão.

"O concurso para a concessão da linha está a avançar e deverá estar concluído até ao final da concessão, que termina em dezembro deste ano. Caso, tal não seja possível de concretizar, afiançou, Guilherme d'Oliveira Martins, que a ligação aérea não será interrompida", informar a CIM.

HFI // MSP

Lusa/fim

+ notícias: Política

António Costa diz que Governo está disposto a chegar a um acordo com os enfermeiros

O primeiro-ministro, António Costa, avançou este sábado em Madrid que o Governo está disposto chegar a acordo sobre a "revisão da carreira" com os enfermeiros, assim como "procurar corrigir" algumas injustiças da anterior eliminação das categorias.

Mais de 60 pessoas pedem à Câmara do Porto reversão de despejo de reclusa

Mais de 60 pessoas manifestaram-se este sábado no bairro do Lagarteiro, Porto, para a Câmara reverter o despejo "cruel" de uma reclusa "prestes a sair em liberdade" que, segundo o advogado, foi "efetivado antes de ela ser notificada".

Governo assume voltar às negociações e enfermeiros terminam greve de fome

Sindicatos do Enfermeiros e o Ministério da Saúde vão voltar à mesa das negociações. O anúncio foi feito pela ministra da Saúde, Marta Temido, o que já levou a que os dois enfermeiros em greve de fome cancelassem o protesto.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.