Info

CIM diz que ainda não há decisões sobre futuro do IC5, em Trás-os-Montes

| Política
Porto Canal com Lusa

Bragança, 10 out (Lusa) -- A Comunidade Intermunicipal (CIM) das Terras de Trás-os-Montes informou hoje que o Governo está a avaliar ainda sem decisões o futuro modelo de exploração da estrada IC5, o itinerário complementar que liga ao Porto e à fronteira.

O esclarecimento surge depois da preocupação manifestada pelos autarcas locais com a possibilidade de a manutenção da via deixar de ser feita pela atual concessionária e passar para a empresa pública Infraestruturas de Portugal (IP).

Os representantes da CIM das Terras de Trás-os-Montes reuniram-se, na segunda-feira, em Lisboa, com o secretário de Estado das Infraestruturas e dão hoje conta, em comunicado, que o Governo prometeu ouvir os autarcas antes de ser tomada uma decisão.

"Guilherme d'Oliveira Martins disse que o processo de desclassificação do IC5 e a transição da exploração para as infraestruturas de Portugal está em avaliação e afiançou aos autarcas das Terras de Trás-os-Montes que nada ficará definido sem os consultar previamente", divulgou a CIM.

Segundo a comunidade intermunicipal, o governante indicou ainda que acontecer o processo de transferência da gestão da estrada, "a manutenção, segurança e vigilância estará sempre assegurada e analisada com os autarcas".

Nesta reunião, a CIM das Terras de Trás-os-Montes garante ter encontrado por parte do secretário de Estado "recetividade relativamente aos investimentos estruturantes para o território no que diz respeito às infraestruturas rodoviárias, ferroviárias e aeroportuárias".

Afiança ainda "o secretário de Estado das Infraestruturas tomou boa nota das necessidades do território, afirmando que estão em análise e mostrando-se recetivo à sua inclusão no Programa Nacional de Investimentos 2030".

As propostas de investimento já apresentadas ao Governo englobam as ligações rodoviárias de Bragança/Vimioso e Bragança /Vinhais, a conclusão da ligação do IC5 a Espanha, a construção da ligação de Bragança a Espanha (Puebla de Sanábria) e da ligação Macedo de Cavaleiros/Vinhais/Espanha (Godinha), ambas com perfil de Itinerário Principal.

A Terras de Trás-os-Montes quer ainda integrados nos investimentos prioritários nacionais "o reforço dos aeródromos locais e a construção de um Aeroporto Regional em Bragança, o corredor ferroviário entre o Porto de Leixões e Zamora (Espanha) e a criação de um Centro de Logística na região".

O secretário de Estado terá ainda garantido que a região "não vai ficar sem ligação aérea" perante as preocupações dos autarcas com os prazos do concurso para nova concessão da carreira Bragança/Vila Real/Viseu/Tires/Portimão.

"O concurso para a concessão da linha está a avançar e deverá estar concluído até ao final da concessão, que termina em dezembro deste ano. Caso, tal não seja possível de concretizar, afiançou, Guilherme d'Oliveira Martins, que a ligação aérea não será interrompida", informar a CIM.

HFI // MSP

Lusa/fim

+ notícias: Política

Tiago Barbosa Ribeiro espera que a regionalização esteja no programa eleitoral do PS

Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, defende que sem regionalização não se resolvem os problemas da desigualdade territorial e como tal, espera "que a regionalização esteja" no programa eleitoral do PS.

Deputado do PS afirma que casos de alegada corrupção prejudicam a 'luta' pela regionalização

Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, afirma que sempre que existem casos noticiados de alegada corrupção "os adversários da regionalização acabam por ganhar alguns argumentos, mesmo que sejam populistas".

Operações 'Teia' e 'Rota Final': Partidos pedem mais meios e condições para que a justiça funcione rápido

Em pouco mais de duas semanas, Portugal viveu dois escândalos de corrupção que envolvem autarquias do Norte e suspeitas de favorecimento a empresas privadas. O primeiro foi a Operação 'Teia' com nomes ligados ao PS. O segundo é a Operação 'Rota Final', com figuras do PSD. O Porto Canal foi ouvir o que pensam as concelhias partidárias sobre isto e todas admitem que são precisos mais meios e condições para que a justiça funcione rápido.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.