Info

Detido na Alemanha suspeito de matar e violar jornalista búlgara

| Mundo
Porto Canal com Lusa

As autoridades búlgaras anunciaram esta quarta-feira a detenção na Alemanha de um homem suspeito de ter matado e violado a jornalista búlgara Viktoria Marinova em Ruse, no norte da Bulgária.

O indivíduo foi detido na noite de terça-feira na Alemanha, para onde fugiu, segundo as autoridades búlgaras, que excluem nesta fase que o motivo do crime esteja relacionado com a profissão da vítima.

"A investigação identificou um homem que foi detido na noite passada pela polícia na Alemanha, a nosso pedido", disse o ministro do Interior da Bulgária, Mladen Marinov, numa conferência de imprensa em Sófia.

"Nesta fase, não consideramos que o assassínio esteja relacionado com a atividade profissional da vítima", adiantou também o procurador-geral, Sotir Tsatsarov, acrescentando que o suspeito, nascido em 1997, já era procurado pelos crimes de homicídio e violação.

A jornalista búlgara Viktoria Marinova, que trabalhava numa cadeia de televisão local e que recentemente tinha denunciado alegados casos de uso fraudulento de fundos comunitários na Bulgária, foi morta no sábado, vítima de agressão brutal.

O corpo de Viktoria Marinova, 30 anos, responsável administrativa e apresentadora na TVN, uma cadeia televisiva local de Ruse (norte), foi descoberto num parque da cidade, anunciou no domingo o procurador regional, Georgy Georgiev.

A jornalista foi agredida na cabeça e estrangulada, referiu o Ministério do Interior, precisando que também foi violada.

Na emissão do programa de rádio a 30 de setembro, difundiu uma entrevista com dois reputados jornalistas de investigação, o búlgaro Dimitar Stoyanov, do 'site' Bivol.bg, e o romeno Attila Biro, que investigavam suspeitas de fraudes nos fundos europeus e que envolveriam empresários e responsáveis políticos.

O cofundador do Bivil.bg, Assen Yordanov, disse à agência noticiosa AFP ter recebido informações credíveis de que os jornalistas do seu ´site' estavam em perigo devido a esta investigação.

"A morte de Viktoria, a forma brutal como foi morta, é uma execução feita para servir de exemplo", acusou.

A última classificação mundial sobre liberdade de imprensa estabelecida pelos Repórteres sem fronteiras (RSF) colocou a Bulgária no 111º lugar entre 180, de longe o pior da União Europeia, e o país é regularmente questionado pela situação de vasta corrupção nos media, que impede a liberdade de informar.

Viktoria Marinova foi a terceira jornalista assassinada no espaço de um ano na Europa, após o repórter Jan Kuciak na Eslováquia, em fevereiro, e a jornalista de Malta Daphné Caruana Galizia em outubro de 2017.

+ notícias: Mundo

Freiras desviaram fundos de escola católica para jogar em Las Vegas

Duas freiras norte-americanas admitiram terem desviado fundos escolares estimados em 500 milhões de dólares para realizarem viagens aos casinos de Las Vegas, anunciou na segunda-feira a arquidiocese de Los Angeles.

Brexit: Tribunal Europeu decidiu que Reino Unido pode revogar o acordo unilateralmente

O Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) decidiu esta segunda-feira que o Reino Unido tem a capacidade de revogar de forma unilateral o artigo 50 dos tratados europeus, que iniciou o processo da sua saída da UE, o "Brexit".

Perto de 2.000 identificados nos protestos dos "coletes amarelos" em França

Perto de 2.000 pessoas foram identificadas em França no sábado no âmbito dos protestos dos "coletes amarelos" que levaram às ruas cerca de 136.000 manifestantes, indicou este domingo o Ministério do Interior.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.