Info

Incêndios: António, o caçador convertido em amigo dos javalis por força do fogo

| País
Porto Canal com Lusa

Monchique, Faro, 10 ago (Lusa) - António Valério prepara-se para ir comprar sacas de trigo e milho para dar aos animais que se salvaram do fogo. O caçador de Monchique converte-se por estes dias em "amigo dos javalis", por força do incêndio.

Sentado numa cadeira de plástico à beira da estrada, junto à sua casa, em Mata Porcas, António está ao telemóvel a dar conta do que se passou por ali na segunda e na terça-feira a um amigo.

"Olha, vou ter que ir agora comprar umas sacas de trigo e de milho para dar aos pássaros e aos javalis. Vou deixar de ser caçador para ser amigo dos javalis", conta.

Por dois dias viu as chamas aproximarem-se da sua casa e por duas vezes conseguiu dar conta do fogo, graças ao trabalho do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro da GNR, num dia, e dos Bombeiros de Monchique, noutro.

À volta, só se vê negro, restando um reduto verde em redor da casa, por onde nestes dias se concentram os animais que se safaram das chamas, diz à agência Lusa António Valério, enquanto vai dando festas a um gato adolescente, com pelo tigrado cinzento, que por estes dias "amansou com o medo do incêndio".

"Os javalis andam por aí e temos que os ajudar", sublinha, enquanto se ouvem pombos selvagens a cantar, por certo "também a pedir por comida".

Questionado sobre o porquê de ir dar de comer aos pássaros e javalis, António responde com outra pergunta: "Sabe o que custa a fome?".

"Uma pessoa tem que se pôr do outro lado. Todos nós sofremos, cada um com o seu sentimento", diz o homem de 60 anos, que contabiliza dez hectares de medronhal ardido.

Mostra a sua aguardente de medronho com orgulho, que "está sempre vendida".

Por ali, produz também mel, não sabendo ainda quantas das suas 800 colmeias ficaram destruídas, já que ainda não o deixaram ir a todos os locais onde as tinha.

"A pergunta não é o que é que eu perdi, mas o que é que eu não perdi. Perdi floresta, colmeias - que é a minha vida - e medronho", diz, num discurso pausado e de voz embargada.

Para aquilo que viveu durante duas noites, resume em três palavras: "destruição, guerra e medo".

"Houve uma incapacidade para resolver o que havia para resolver. Houve um sentimento de impotência" perante a força do fogo, resume António.

Ao amigo com quem fala, por telefone, sintetiza tudo também em poucas palavras: "Estava verde, verdinho, ficou negro, negrinho".

O incêndio rural, combatido por mais de mil operacionais e considerado dominado hoje de manhã, deflagrou no dia 03 à tarde, em Monchique, distrito de Faro, e atingiu também o concelho vizinho de Silves, depois de ter afetado, com menor impacto, os municípios de Portimão (no mesmo distrito) e de Odemira (distrito de Beja).

A Proteção Civil atualizou o número de feridos para 41, um dos quais em estado grave (uma idosa que se mantém internada em Lisboa).

De acordo com o Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais, as chamas já consumiram cerca de 27 mil hectares.

JYGA // ROC

Lusa/Fim

+ notícias: País

Jovem de 23 anos morre soterrada em derrocada que atingiu restaurante na Madeira

Uma mulher de 23 anos morreu este sábado na Calheta, na Madeira, na derrocada que atingiu um restaurante, confirmaram os bombeiros à agência Lusa.

IGAI abre inquérito à atuação da GNR na captura de suspeitos de tráfico de droga

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) abriu um inquérito para investigar a atuação de militares da GNR durante a captura de suspeitos de tráfico de droga na Auto Estrada 29, indicou este sábado à Lusa a Guarda Nacional Republicana.

Grupo de cidadãos 'luta' por alargamento da licença de maternidade

Um grupo de cidadãos quer levar ao Parlamento uma proposta de alteração à lei que permita alargar a licença de maternidade paga a 100 por cento até aos seis meses de vida da criança. A ideia é que as mães possam amamentar os filhos durante meio ano, como recomenda a Organização Mundial de Saúde, sem as complicações do regresso ao trabalho.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.