Jornal Diário Jornal das 13

Incêndios: Costa diz que as suas declarações "foram descontextualizadas e deturpadas"

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 09 ago (Lusa) -- O gabinete do primeiro-ministro considerou hoje que "foram descontextualizas e deturpadas" as declarações feitas por António Costa na quarta-feira sobre a operação de combate aos incêndios.

Numa nota enviada às redações e assinada pela assessoria de imprensa do primeiro-ministro é ainda anexada uma transcrição das referidas declarações, proferidas no final de um balanço da resposta operacional e das medidas adotadas pelas várias entidades na sequência da onda de calor registada nos últimos dias.

"Foram descontextualizadas e deturpadas as declarações que o primeiro-ministro proferiu ontem, 08 agosto, na Autoridade Nacional da Proteção Civil", refere.

A mesma nota justifica que o incêndio de Monchique "é a exceção que confirma a regra do que aconteceu no conjunto do país".

"O primeiro-ministro sublinhou que, perante uma situação climatérica que o IPMA classificou de 'situação excecional de calor que nunca tinha sido observada no país, em que dia 04 de agosto foi o mais quente do século e todos os recordes foram batidos', foram registadas 582 ignições nestes cinco dias mais críticos, destas 582 ignições só foram registados 26 incêndios e desses apenas um, o de Monchique, teve esta dimensão. Ou seja, este, obviamente, é uma exceção", lê-se.

António Costa avisou na terça-feira que o incêndio de Monchique iria continuar a lavrar nos próximos dias, considerando que esta exceção no país "confirmou a regra do sucesso da operação ao longo de todos estes dias".

No texto do gabinete acrescenta-se ainda que o chefe do executivo "não só não procurou desdramatizar ou desvalorizar a gravidade da situação em Monchique como disse, pelo contrário, que a situação era alarmante e ia agravar-se", transcrevendo entre aspas a citação de Costa que sustenta esta afirmação.

"E também é falso que as palavras do primeiro-ministro tenham sido para elogiar as políticas de prevenção promovidas pelo Governo. O primeiro-ministro elogiou, sim, todos os portugueses, pelo esforço de limpeza feito ao longo do ano e pela contenção de comportamentos de risco. As primeiras palavras foram, aliás, dirigidas às populações, em segundo lugar aos agentes de proteção civil e em terceiro lugar aos autarcas, nunca se tendo referido à atuação do Governo", recorda.

No final da nota é ainda sublinhado que António Costa disse ser "cedo para fazer quaisquer balanços dos incêndios, porque o verão começou tardio e também de forma atípica, e que o que é absolutamente prioritário é assegurar a proteção da vida das pessoas", tendo ainda deixado "uma palavra de solidariedade para com as pessoas afetadas com os incêndios".

JF // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

Governo remete decisão de transferência do Infarmed para o Porto para comissão na Assembleia da República

A deslocalização do Infarmed para o Porto dependerá da comissão da Assembleia da República que vai acompanhar os processos de descentralização dos serviços públicos, anunciou hoje o ministro da Saúde.

Rui Rio insiste que nova procuradora devia ser alguém "de fora" do Ministério Público

O presidente do PSD defendeu esta sexta-feira que Joana Marques Vidal podia ter sido reconduzida como procuradora-geral da República, mas como não foi esse o entendimento do Governo, devia ter sido escolhido alguém "de fora" do Ministério Público.

Atualizado 22-09-2018 12:30

Governo quer duplicar número de países com português no básico e secundário

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, anunciou hoje que o Governo quer "a breve prazo" duplicar o número de países com o português como língua internacional de opção no ensino básico e secundário.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.