Info

Governo assegura apoios para a reconstrução de casas em Monchique

| Política
Porto Canal com Lusa

Abrantes, Santarém, 07 ago (Lusa) - O ministro do Ambiente lembrou hoje em Abrantes a criação o ano passado do programa 'Porta de Entrada', para assegurar que a reconstrução das habitações atingidas pelo incêndio em Monchique vai ser apoiada pelo Governo.

"De facto, este Governo fez aprovar um programa que não existia, não existia o ano passado quando aconteceram tão dramáticos incêndios em Pedrógão e também na primeira quinzena de outubro, e que é o programa Porta de Entrada, que é exatamente um programa para apoiar aquela que é a reconstrução de habitações quando existem catástrofes, naturais, entre elas, naturalmente, os incêndios", afirmou João Matos Fernandes, à margem de uma reunião com a Comissão de Acompanhamento sobre Poluição do Tejo, que decorreu em Abrantes, no distrito de Santarém.

O incêndio na zona de Monchique começou na sexta-feira e está hoje a ser combatido por mais de 1.200 operacionais, tendo se estendido até aos concelhos de Silves e Portimão. Até ao momento, o fogo provocou 30 feridos, um deles em estado grave.

O governante, que fez questão de frisar que "este é o momento de combater o fogo e de encontrar as melhores soluções possíveis para aqueles que estão a ser diretamente afetados" pelo incêndio, assegurou que, "assim que o fogo estiver extinto", o ministério que tutela irá "começar a perceber, em conjunto com as autarquias de Monchique, e Silves também, eventualmente, aquilo que é o levantamento dessas mesmas casas ardidas e, através do programa 'Porta de Entrada', proceder aos necessários e aos apoios justos para, em primeiro lugar, a procura de situações, eventualmente, provisórias, e, depois, à reconstrução e reabilitação das habitações".

Questionado sobre o centro do lince ibérico instalado em Silves, Matos Fernandes afirmou que o mesmo não foi afetado pelo incêndio de Monchique.

"O centro de criação dos linces em cativeiro está de facto muito próximo da zona onde o incêndio tem lavrado, houve uma intervenção muito grande de limpeza de aproximadamente 30 hectares do centro, e felizmente ainda não tivemos nenhum problema em concreto", afirmou o governante, dando conta, no entanto, que o programa de emergência está ativado.

"O programa de emergência está ativado, já temos a capacidade para retirar os linces se necessário for, estimamos que não venha a ser necessário", afirmou.

Em 2017, o ICNF desenvolveu ações de gestão de combustível na área envolvente aos cercados, edifícios e na área circundante, "de forma a diminuir o risco de incêndio e estabelecer faixas e mosaicos de proteção" do centro de reprodução do lince ibérico.

"Os meios afetos são considerados adequados em função do grau de risco e de acordo com o acompanhamento e monitorização do incêndio e a sua evolução", disse hoje à Lusa fonte oficial do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), responsável pelo centro de reprodução do lince ibérico de Silves, no Algarve, e pelo projeto de reintrodução da espécie na natureza, desenvolvido em parceria com Espanha.

MYF // JPF

Lusa/Fim

+ notícias: Política

António Costa confirma remodelação no Governo mas remete anúncio para Marcelo

O primeiro-ministro, António Costa, confirmou este sábado que irá haver uma remodelação no Governo, tendo já entregue as alterações ao Presidente da República, que "no momento oportuno" as anunciará.

Rui Rio acusa Governo de "perder a mão na questão social"

O presidente do PSD, Rui Rio, considerou esta sexta-feira que o Governo "perdeu a mão na questão social" acusando-o de vender Portugal como o país das maravilhas onde tudo é possível, quando a realidade é outra.

Atualizado 16-02-2019 13:23

56% dos portugueses não está interessado nas próximas Eleições Europeias

56% dos portugueses não está interessado nas próximas Eleições Europeias. A a abstenção é tradicionalmente elevada, mesmo assim, os portugueses gostam de fazer parte dos 28 e acham que a união é positiva para o país. Os dados do euro barómetro são o ponto de partida para a campanha das europeias, que são as primeiras depois do Brexit e num contexto em que os movimentos extremistas crescem pelo velho continente

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.