Info

Famílias com menos rendimentos aderem à reutilização de manuais escolares usados

Famílias com menos rendimentos aderem à reutilização de manuais escolares usados
| Economia
Porto Canal com Lusa

As famílias com menores rendimentos estão a ter este ano um maior acesso à reutilização de manuais escolares usados, após a empresa 'Book in Loop', com sede em Coimbra, ter facilitado o processo, foi este domingo anunciado.

"Nós ['Book in Loop'], o ano passado, sentimos que estávamos a chegar realmente a um público cada vez maior, mas eram sobretudo famílias de classe média, classe média-alta, e, portanto, este ano tomámos algumas medidas para tentar chegar às famílias em que o nosso serviço também pode ter mais impacto", disse hoje à agência Lusa João Bernardo Parreira, cofundador da empresa de reutilização de manuais escolares.

Para facilitar o acesso, a empresa permitiu que todas as ações relacionadas com o processo possam ser feitas por telefone, "para que as famílias que tenham menos competências digitais para utilizar a plataforma possam, na mesma, aceder tanto à venda, como à compra de manuais com um custo mais reduzido".

"Desenvolvemos também uma parceria com a MAZE, com o Laboratório de Investimento Social, da Fundação Calouste Gulbenkian, para continuar o desenvolvimento de novas soluções que tenham impacto nas famílias de rendimentos mais baixos e, para além disso, desenvolvemos algumas parcerias, nomeadamente com a Associação Portuguesa de Famílias Numerosas, que são também aquelas famílias que potencialmente têm um benefício maior ao utilizar o nosso serviço", acrescentou.

Segundo João Bernardo Parreira, com esta parceria, "para além de as famílias terem uma utilização mais facilitada, têm também um desconto adicional, para além da solução base em que a família pode vender os manuais com 20% de rendimento e adquiri-los com 60% de desconto. Portanto, conseguir uma poupança no total de até 80%, o que, numa família que gaste em média 200 euros por manuais, por filho, é uma poupança que pode chegar aos 160 euros por filho".

Pelas contas do empresário, a poupança com manuais escolares "é muitíssimo relevante, podendo ultrapassar os 450 euros num agregado com três filhos".

A 'Book in Loop' refere em comunicado que, com as medidas tomadas este ano "para ajudar a poupar quem tem menos dinheiro", os resultados são esclarecedores.

"Nesta altura, temos praticamente cinco vezes mais livros nos pontos de entrega e temos também o triplo dos manuais registados na plataforma, o que nos leva a crer que este será um ano, também, de forte crescimento no acesso das famílias à plataforma", disse João Bernardo Parreira.

A empresa regista "três vezes mais manuais usados inscritos na plataforma para serem vendidos, 4,5 vezes mais livros escolares entregues nas lojas da rede de supermercados Continente e papelarias Note e nos 600 quiosques da VASP", que são os parceiros logísticos da plataforma 'online' de compra e venda de manuais usados do 5.º ao 12.º ano com desconto de 60%.

A campanha de 2018 para a reutilização de livros escolares, que se iniciou a 18 de junho e irá durar até 10 de agosto, "está a crescer impulsionada pelas medidas tomadas pela 'Book in Loop' para atingir as famílias de mais baixos rendimentos", refere a nota.

O objetivo da empresa é envolver 80 mil famílias e chegar aos 100 mil livros comprados e vendidos, para "poupar 4,5 milhões de euros aos alunos".

+ notícias: Economia

Trabalhadores dos supermercados em greve na véspera de Natal

O Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP) lançou um pré-aviso de greve dos funcionários dos supermercados para o dia 24 de dezembro, véspera de Natal.

Vários comboios suprimidos no Natal e Ano Novo devido à baixa procura

Mais de duas dezenas de ligações ferroviárias, entre Intercidades e Alfa-Pendulares, serão suprimidas nos dias 24, 25 e 31 de dezembro e 01 de janeiro de 2019, à semelhança de anos anteriores, devido à fraca procura.

Trabalhadores dos CTT lançam petição para Estado entrar no capital social

Um grupo de trabalhadores dos CTT lançou este domingo uma petição a pedir a participação do Estado no capital social da empresa privada para defesa do Serviço Universal Público e a recolha de assinaturas decorre até 31 de dezembro.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.