Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Governo autoriza obras de emergência em escolas cujo mau estado compromete aulas

Governo autoriza obras de emergência em escolas cujo mau estado compromete aulas
| Política
Porto Canal com Lusa

O Governo autorizou parcerias com seis municípios para obras de emergência em escolas de segundo e terceiro ciclos cujo mau estado de conservação põe em causa as atividades letivas, segundo um despacho publicado esta terça-feira em Diário da República (DR).

"Através da cooperação técnica e financeira entre o Ministério da Educação e os municípios foi possível acordar a execução de intervenções pontuais e de emergência para beneficiação de escolas cujo estado de conservação punha em causa o normal desenvolvimento das atividades letivas", refere o despacho assinado pelos secretários de Estado do Orçamento, Autarquias Locais e da Educação.

Os acordos de delegação de competências vão ser celebrados com as câmaras de Torres Vedras, Mafra, Amadora (no distrito de Lisboa), Porto de Mós (Leiria), Cinfães (Viseu) e Gouveia (Guarda).

As obras previstas têm um investimento total no valor de 5,9 milhões de euros.

Três milhões de euros vão para a requalificação da escola EB2,3 da Freiria, em Torres Vedras, onde em maio os alunos se manifestaram por duas vezes e estiverem em greve contra as más condições das instalações.

Numa portaria publicada também hoje em DR, os Ministérios das Finanças e da Educação autorizam a Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares a proceder à repartição dos encargos da empreitada por 2018 (500 mil euros), 2019 (1,25 milhões de euros) e 2020 (1,25 milhões de euros).

Erguida há 40 anos a partir de pavilhões pré-fabricados provisórios e sem isolamento, a escola possui telhados em amianto, problemas de humidade e de infiltrações e instalações e mobiliário degradados, motivos pelos quais são pedidas obras há mais de 20 anos.

Em 2017, parte de um pavilhão foi encerrado na sequência do aparecimento de "fissuras" após o temporal 'Ana', tendo sido instalados contentores para colmatar as oito salas de aula fechadas.

A Câmara de Torres aprovou também hoje o acordo a estabelecer nesse sentido com o Ministério da Educação, estando agora em condições de poder lançar concurso para as obras.

A Escola EB2,3 António Bento Franco da Ericeira, em Mafra, vai contar com um investimento de três milhões de euros para obras de requalificação e de ampliação, com a criação de mais oito salas de aula.

O município vai suportar um milhão de euros e receber mais dois milhões de euros do Governo, sendo 750 mil euros transferidos este ano e 1,25 milhões de euros em 2019, de acordo com a portaria de extensão de encargos dos ministérios das Finanças e Educação, publicada hoje em DR.

O estabelecimento escolar possui telhados em amianto e instalações degradados, condições "inaceitáveis" para a Câmara, que quer acabar com a existência de escolas de "primeira e de segunda no concelho".

A Escola EB2,3 Cardoso Lopes, na Amadora, foi contemplada com 600 mil euros (300 mil em 2018 e 300 mil em 2019) para obras de conservação em equipamento destinado à prática desportiva, segundo a portaria de extensão de encargos hoje publicada.

Nas três escolas, "considera-se necessário realizar obras de conservação, com caráter de urgência, de forma a garantir o normal funcionamento da escola em condições de operacionalidade, de segurança e de conforto para toda a população escolar", reconhece o Governo.

O Governo vai investir ainda 195 mil euros na EB General Serpa Pinto, em Cinfães, 60 mil euros na Escola Básica e Secundária de Mira de Aire, em Porto de Mós, e 40 mil para EB de Vila Nova de Tazém, em Gouveia.

+ notícias: Política

Lançamento de balões no São João dependentes das condições meteorológicas

A Secretaria de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural disse esta quarta-feira à Lusa que está a acompanhar a evolução das condições meteorológicas “diariamente” e que o período crítico de incêndios pode ser “antecipado ou prorrogado” em função dessas condições.

Assunção Cristas critica renda acessível e é acusada por António Costa de ter causado "calamidade social"

A presidente do CDS-PP questionou esta quarta-feira o primeiro-ministro sobre os preços praticados na "renda acessível" e foi acusada por António Costa de ter provocado consistentemente, apesar dos avisos, uma "calamidade social" com a lei do arrendamento.

Câmara Municipal do Porto decide fazer debate sobre problemas da habitação na cidade

A Câmara Municipal do Porto vai fazer um grande debate sobre os problemas da habitação na cidade com o objetivo de partilhar ideias e encontrar soluções. A iniciativa partiu de Manuel Pizarro mas foi acolhida por todo o executivo camarário.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.