Info

Emprego no Norte supera melhor dos resultados de 1999 a 2016

Emprego no Norte supera melhor dos resultados de 1999 a 2016
| Economia
Porto Canal com Lusa

O emprego na Região Norte cresceu 3,2%, em termos homólogos, no 4.º trimestre de 2017, valor que supera “o melhor dos resultados dos anos de 1999 a 2016”, conclui o relatório Norte Conjuntura hoje divulgado.

“A população empregada residente no Norte do país aumentou em 3,2% face ao período homólogo de 2016 (o equivalente a mais cerca de 52 mil pessoas empregadas), depois de no trimestre anterior ter crescido 3,5%, também em termos homólogos”, indica o relatório trimestral que identifica as tendências que marcam a evolução económica, a curto prazo, no território e a que a Lusa teve acesso.

Elaborado pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDRN), o documento refere ainda que este resultado, “impulsionado sobretudo pela indústria transformadora”, superou “o melhor dos resultados do período de 1999 a 2016”, apesar de ter sido o menor do ano passado.

O relatório destaca ainda “o contributo do comércio, com mais cerca de nove mil pessoas empregadas do que há um ano (variação homóloga de 3,9%)” e, em sentido contrário, a descida no setor primário, com menos 11 mil pessoas empregadas do que um ano antes (variação homóloga de -10,9%).

Por sub-regiões, o Cávado registou, em termos homólogos, o maior crescimento do número de ativos a descontar para a Segurança Social e a “Área Metropolitana do Porto, dado o seu peso relativo, continua a assegurar um contributo que explica cerca de metade do crescimento observado em toda a região do Norte”.

No 4.º trimestre de 2017, a taxa de desemprego na região voltou a cifrar-se em 9,3% (170 mil pessoas), “igualando o valor do trimestre imediatamente anterior e ficando abaixo do registo do trimestre homólogo de 2016 (11,5%)”, e salário médio mensal líquido dos trabalhadores por conta de outrem cifrou-se em 798 euros, observando, em termos homólogos, um crescimento real de 1,3%.

Também nos últimos três meses do ano, o valor das mercadorias exportadas por empresas com sede no Norte registou “uma aceleração do ritmo de crescimento”, a contrariar com o abrandamento observado nos dois trimestres anteriores.

Esta aceleração, explica a CCDRN, foi motivada pelo comportamento das exportações para a União Europeia, as quais observaram uma variação homóloga nominal de 7,8% (acelerando face ao resultado de 3,4% no trimestre precedente).

Por produtos, o “principal contributo”, em termos homólogos, para este crescimento foi, tal como no trimestre anterior, assegurado pela evolução das exportações do grupo “veículos automóveis, tratores, ciclos e outros veículos terrestres, suas partes e acessórios”, refere o relatório.

“Merecem também destaque os contributos assegurados pelas exportações de instrumentos de precisão (incluindo aparelhos de ótica, de fotografia e cinema, de medida, de controlo e médico-cirúrgicos) e de ferro fundido, ferro e aço”, acrescenta.

O documento analisa, ainda, outros indicadores com comportamento favorável no último trimestre de 2017, nomeadamente, o consumo privado e a atividade turística, com um aumento do número de dormidas e do número de hóspedes.

O número de dormidas cresceu, no Norte, 10,8% em termos homólogos (contra 4,6% no trimestre anterior) e o número de hóspedes aumentou 11,0% (compara com 5,0% no trimestre precedente).

A capacidade de alojamento dos estabelecimentos hoteleiros da região cresceu 4,8%, em termos homólogos (compara com 3,4% no trimestre anterior) e o emprego no ramo de atividade “alojamento, restauração e similares” registou um acréscimo de 3,5% em termos homólogos (em forte desaceleração face aos 29,1% apurados no trimestre precedente).

Já no recurso ao crédito, no final de 2017 o valor total concedido às famílias e às sociedades não financeiras do Norte registava uma variação homóloga de -0,9% (resultado que compara com -1,7% no final do trimestre anterior).

+ notícias: Economia

Alentejo deverá ter quebra na produção de azeite na campanha de 2018/2019

O Alentejo, a região portuguesa que mais azeite produz, deverá ter uma quebra na produção da campanha olivícola de 2018/2019 em relação à anterior, devido aos rendimentos mais baixos da azeitona, segundo associações do setor.

Laboratórios colaborativos querem criar dezenas de empregos qualificados

21 laboratórios colaborativos prometem criar 750 novos postos de trabalho pelo país. O presidente da Fundação para a Ciência e Tecnologia afirma que o objetivo é dar empregos qualificados.

Pão pode aumentar em 2019 em função de subida do salário mínimo e da matéria-prima

O preço do pão poderá subir em 2019, acompanhando o aumento do salário mínimo e do valor da matéria-prima, disse à Lusa o presidente da Associação dos Industriais da Panificação, Pastelaria e Similares do Norte.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.