Jornal Diário Jornal das 13

Autarquias afetadas pelos incêndios ainda esperam por apoio para reposição dos equipamentos municipais

| Política
Porto Canal com Lusa

Seis meses depois dos incêndios de outubro de 2017, as câmaras municipais afetadas ainda estão à espera da formalização de apoio para poderem repor os equipamentos municipais que ficaram danificados pelas chamas.

Atualizado 15-04-2018 11:14

"Ainda não há datas", notou o presidente da Câmara de Arganil, Luís Paulo Costa, sublinhando que para municípios como aquele que lidera - de pequena dimensão - não há capacidade financeira para fazerem a reposição às suas custas.

O concelho de Arganil, um dos mais afetados pelos grandes incêndios de outubro, contabiliza mais de 5,8 milhões de euros em equipamentos municipais, entre sinalética, vias rodoviárias danificadas, imóveis, estações de tratamento de águas residuais e ‘rails' de proteção das estradas, contou.

Para Luís Paulo Costa, esses 5,8 milhões representariam mais de um terço do orçamento que o município tem para gastar num ano, estranhando a demora na formalização e definição de apoios nesta área.

"Seis meses já era um prazo longo", sublinhou, considerando que está também em causa a própria segurança rodoviária.

O autarca avisa que a reposição da sinalética vertical e dos ‘rails' de proteção, nomeadamente nas zonas de montanha, é urgente.

"É uma circunstância de um perigo muito significativo e não ignoro que ele existe e que é real. Com condições atmosféricas adversas, o risco aumenta exponencialmente", realçou, afirmando que, sem o apoio do Estado, "é completamente impossível" para a autarquia repor os equipamentos.

No concelho vizinho de Oliveira do Hospital, o presidente da Câmara Municipal, José Carlos Alexandrino, confirma a mesma situação.

"Ainda não temos data, nem previsão de quando é que vai haver apoio e de como é que vai ser atribuído", contou à Lusa o autarca, referindo que, no caso de Oliveira do Hospital, são 1,5 milhões de euros de prejuízos em equipamentos municipais.

Apesar disso, o município está a lançar um concurso público na ordem dos 300 mil euros para repor sinalética.

"Não posso ter uma morte porque o sinal não está lá", asseverou José Carlos Alexandrino, sublinhando que espera que essa despesa seja depois suportada pelo programa que venha a ser celebrado.

Em Tondela, passa-se o mesmo.

"O município de Tondela tem vindo a garantir a substituição de alguma sinalização rodoviária vertical, por considerar que é o mais urgente. Esta substituição vem sendo feita paulatinamente, com recursos próprios, enquanto aguarda o financiamento pretendido", informou à agência Lusa o presidente da autarquia, José António Jesus, em resposta por ‘e-mail’, referindo que a Câmara regista um prejuízo de cerca de dois milhões euros nesta área (sem contar com os danos na ecopista, que ascendem a 850 mil euros).

A agência Lusa tentou obter um esclarecimento por parte do Ministério da Administração Interna, mas sem sucesso.

+ notícias: Política

Ministro da Saúde anuncia decisão sobre deslocalização do Infarmed "a curto prazo"

O ministro da Saúde disse hoje que o Governo terá condições para decidir sobre a mudança do Infarmed para o Porto "a curto prazo" e salientou que relacionar a deslocalização com ameaça da saúde pública mundial é “exagero”.

Centenas de pessoas marcaram presença no último adeus a João Semedo

Centenas de pessoas marcaram presença no último adeus a João Semedo. Familiares, amigos e políticos recordam o homem das causas.

Descentralização de competências para as autarquias aprovada na especialidade

 O texto da lei da descentralização de competências do Estado central para as autarquias, uma das prioridades do Governo socialista, foi hoje aprovado na especialidade na Assembleia da República, viabilizado pelo PS e pelo PSD.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.