Info

Número de passageiros nos aeroportos portugueses sobe 16,4% para 52,8 milhões em 2017

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 23 mar (Lusa) -- O número de passageiros nos aeroportos portugueses no ano passado ascendeu a 52,8 milhões, o que representa uma subida de 16,4% face ao ano anterior, ultrapassando-se, pela primeira vez, a fasquia dos 50 milhões, foi hoje divulgado.

"O movimento de passageiros [de transporte aéreo] ascendeu a 52,8 milhões em 2017, ultrapassando-se pela primeira vez a fasquia de 50 milhões", divulgou o Instituto Nacional de Estatística (INE), apontando que "este valor correspondeu a um aumento de 16,4% face ao ano anterior".

No que toca aos aeroportos, a maior subida registou-se em Lisboa, de 18,8% para 26,7 milhões de passageiros, seguindo-se o Porto e Faro, com acréscimos de 15,1% e de 14,4% para 10,8 e 8,7 milhões, respetivamente.

Só no quarto trimestre do ano passado, os aeroportos nacionais registaram um movimento de 11,9 milhões de passageiros, mais 12,5% do que no período homólogo, incluindo embarques, desembarques e trânsitos diretos, refere o INE.

Neste período, o aeroporto de Lisboa concentrou 54,7% dos passageiros nos aeroportos, num total de 6,5 milhões de movimentos, apresentando também o maior aumento entre os principais aeroportos.

Seguiram-se os aeroportos do Porto (2,6 milhões), Faro (1,4 milhões), Funchal (713,6 mil) e Ponta Delgada (370,8 mil passageiros), estes dois últimos nas regiões autónomas da Madeira e dos Açores, respetivamente.

Ainda neste período, "o tráfego internacional de passageiros correspondeu a 82,3% do total de movimentos, com especial relevância nos aeroportos de Faro (93,0% do total) e Lisboa (87,5%)", especifica o INE.

As empresas nacionais de transporte aéreo asseguraram o transporte de 39,9% dos passageiros, seguindo-se a oferta de operadores da Irlanda (19,8%), Reino Unido (14,3%), França (4,6%), Espanha (4,5%), Alemanha (4,1%), Países Baixos (2,5%) e da Suíça (2%), entre outros.

De acordo com o INE, em 2017 verificou-se também um acréscimo de 5,9% na ferrovia pesada e de 5,6% no metropolitano, isto face a 2016, ano no qual as subidas tinham sido de 2,7% e de 5,3%, pela mesma ordem.

Assim, o número de passageiros transportados em comboios suburbanos, interurbanos e internacionais ascendeu a 141,7 milhões no ano passado, número que é ultrapassado pelos passageiros do metropolitano (de Lisboa, do Porto e do Metro Sul do Tejo), que totalizaram 235,7 milhões.

No último trimestre do ano passado, "os passageiros transportados por comboio e por metropolitano continuaram a aumentar", assinala o INE, falando em subidas de 4,5% e de 2,9% para 36,1 milhões e para 61,9 milhões, respetivamente.

Relativamente aos passageiros em travessias fluviais, registou-se um total de 20,4 milhões no ano passado, 82,2% dos quais no rio Tejo.

No quarto trimestre de 2017, o número destes passageiros aumentou 7% para 4,7 milhões de passageiros, dos quais 4,3 milhões no rio Tejo.

Já no que toca ao transporte de mercadorias, no ano passado houve aumentos das toneladas movimentadas nos aeroportos (mais 19,1%), por via rodoviária (mais 6,3%) e via ferroviária (mais 2,4%) e nos portos (mais 1,4%).

ANE// ATR

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

"Talvez tenhamos que vender parte do território nacional a quem o queira vender"

Lino Maia, da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade, perante os dados que demonstram que a região Norte de Portugal é a mais afetada pela pobreza, afirma que "talvez tenhamos que vender parte do território nacional a quem o queira vender". O INEM revela que no Norte existem 814 mil pessoas consideradas pobres, enquanto que a Área Metropolitana de Lisboa conta com 474 mil pessoas, dados de 2018.

Norte continua a ser a região mais pobre

O Norte do país continua a ser fustigado pelos níveis de pobreza. Há mais de 800 mil pessoas abaixo do limiar aceitável de condições de vida. 

OE2020: Principais números do Projeto de Plano Orçamental

O Governo divulgou hoje o Projeto de Plano Orçamental para 2020, que enviou à Comissão Europeia, onde prevê um défice menor este ano e corta para um saldo orçamental nulo a estimativa de excedente em 2020.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.