Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Duas mil colheres de pau mantêm tradição da 'Feira dos Namorados' de Vila do Conde

| Norte
Porto Canal com Lusa

Os alunos das escolas de Vila do Conde, no distrito do Porto, ajudaram a manter viva uma secular tradição do concelho, transformando mais de duas mil colheres de pau em pequenas obras de arte para serem vendidas na 'Feira dos Namorados'.

O evento, também conhecido como a 'Feira das Colheres de Paus', tem raízes num mercado que acontecia nesta localidade desde o século XVII e apesar de, ao longo dos tempos, sofrer algumas transformações, manteve a sua génese popular.

Em outros tempos, as decoradas colheres de pau serviam como pretexto para um pedido de namoro, contendo desenhos de cores vivas e versos que pretendiam impressionar e apelar ao sentimento para aproximar os casais.

Agora, apesar do fim mais decorativo, estas colheres continuam a carregar o simbolismo da tradição, algo que a Câmara Municipal vila-condense pretende fazer perdurar, envolvendo as novas gerações.

"Manter viva esta tradição, vinculando a ela os nossos jovens com o trabalho feito nas escolas, faz-nos pensar que a vamos continuar a perpetuar, ainda que de um modo diferente, mas mantendo a identidade de Vila do Conde", disse à Agência Lusa Elisa Ferraz, presidente da Câmara Municipal.

A autarca tem memórias de participar nesta feira, falando "de um vivência pessoal muito emocionante" que a faz "viajar até à juventude".

"Era uma feira onde os jovens se encontravam e trocavam as colheres na tentativa de arranjar um namorado. Era uma época diferente, onde este tipo de vivências eram vividas de forma muito especial", sublinhou Elisa Ferraz.

Os tempos ajudaram, também, a moldar outros objetivos para esta 'Feira das Colheres de Pau', uma vez que as receitas com as vendas dos objetos revertem para instituições de solidariedade social do concelho.

"Compatibilizam-se dois princípios, de manter a tradição e sensibilizar os jovens para as questões do âmbito social", explicou a presidente de Câmara.

O envolvimento das escolas nesta iniciativa foi pleno, com os alunos a despenderem do seu tempo para decorar as colheres, numa atividade que, muitas vezes, é feita em família.

"Nós, professores, demos orientação, mas eles [alunos] também trabalharam em casa, com os pais e a família, ajudando não só manter esta tradição do concelho, mas também promovendo o convívio familiar", afirmou Rosalina Oliveira, uma das docentes envolvidas no projeto.

A docente notou que as colheres "são mais procuradas por um público mais velho, que conhece a tradição", mas que os mais jovens "também gostam muito, sobretudo do processo da criação".

Isso mesmo confirmou Camila Ribeiro, de 11 anos, que, além de ter criado na escola a sua colher de pau decorada, também ajudou, trajada a rigor, na venda durante a feira.

"É bastante divertido, gosto de ter este contacto com as pessoas. É o primeiro ano que estou a ajudar a vender, mas sinto que as pessoas têm muito interesse", partilhou.

A colher feita por Camila já foi comprada pela mãe, mas a jovem confessou que "o mais divertido foi fazê-la com as colegas".

"É engraçado criarmos o que quisermos numa colher. É uma forma de nos expressar e também de manter a tradição", sublinhou a jovem.

Já Mário Peniche é de uma geração bem mais velha, quando as colheres de pau ainda não faziam parte desta 'Feira dos Namorados', mas o reformado lembra que já na sua altura "o local servia para o convívio".

"Vim para recordar os meus tempos de juventude, em que os primeiros namoricos eram arranjados nesta feira. Só mais tarde surgiram colheres de pau e é de saudar ver agora as crianças a manter tradição", disse.

Além das colheres que foram vendidas durante a feira, haverá também exemplares que ficarão em exposição no Centro de Memória de Vila do Conde.

+ notícias: Norte

Criada brigada de sapadores florestais do Tâmega e Sousa

A brigada de sapadores florestais criada para o Tâmega e Sousa envolverá três equipas, num total de 15 elementos, e terá sede em Baião, concelho com a maior mancha florestal do distrito do Porto.

António Coelho: desde 1983 a construir cascatas sanjoaninas

A menos de uma semana do São João, o Porto Canal foi conhecer a obra de António Coelho que desde a década de 80 que se dedica a construir cascatas sanjoaninas.

"Unidos contra o despejo": dezenas de pessoas protestam junto à Câmara Municipal do Porto

Dezenas de pessoas manifestaram-se, na passada segunda-feira à tarde, junto à Câmara Municipal do Porto, por causa das dificuldades com a habitação no centro histórico da 'invicta'. Os despejos foram o principal problema apontado, num protesto marcado para a mesma hora da Assembleia Municipal.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.