Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

CDS-PP diz que apoio de Costa a lista transnacional nas europeias é "crime de lesa-pátria"

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 13 jan (Lusa) - O CDS-PP considerou hoje "um crime de lesa-pátria" o apoio do primeiro-ministro à criação de uma lista transnacional nas eleições europeias, que transforma António Costa "num joguete de franceses e alemães" e atraiçoa os países médios e pequenos.

Em causa está a declaração final da IV Cimeira dos Países do Sul da União Europeia, que decorreu na quarta-feira, em Roma, e na qual esteve o primeiro-ministro, António Costa, e onde consta no último ponto uma posição de princípio no sentido da criação de uma lista transnacional nas eleições europeias.

"Esta decisão é um crime de lesa-pátria para Portugal, transforma o doutor António Costa num joguete de franceses, alemães, espanhóis e italianos - grandes países da União Europeia - e atraiçoa os países médios e pequenos deste projeto comum que estão contra estas listas transnacionais que são um processo profundamente antidemocrático", criticou o vice-presidente do CDS-PP Nuno Melo, em declarações à agência Lusa.

Entretanto, o secretário-geral do PS, António Costa, negou hoje, à entrada para a reunião da Comissão Nacional do PS, ter dado o seu acordo à proposta do Presidente francês, Emmanuel Macron, para a criação de um círculo transnacional nas eleições europeias, contrapondo que os socialistas portugueses se têm oposto.

Na opinião do eurodeputado centrista, "António Costa é uma pessoa que estuda pouco e não alcança muitas vezes a consequência das suas medidas".

"O CDS-PP pretende alertar as pessoas para uma decisão trágica de um primeiro-ministro, à socapa, sem sequer ouvir o parlamento nacional, sem ter noção do que está a fazer. É de uma gravidade extrema", condenou.

De acordo com Nuno Melo, "as listas transnacionais darão às direções de partidos europeus, invariavelmente controladas por franceses e alemães, o poder de decidirem sobre quem as integrará sendo de outros países".

Para o vice-presidente do CDS-PP, isto resultará numa distorção "em favor desses grandes Estados, integrando nas listas mais nacionais seus do que de outros países".

"Estas listas transnacionais serão uma porta aberta a todos os extremismos que ainda não entraram em todos os países porque pessoas com grande capacidade mediática - como a Marine Le Penn - tenderão a agregar votos através de uma mensagem populista, mas que rende", alertou.

Esta medida, continuou Nuno Melo, "nem sequer é federalista" porque estão "a querer consagrar para a União Europeia o que nos estados federais nem sequer existe".

Na sexta-feira, o PSD requereu uma audição parlamentar, com caráter de urgência, com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, para esclarecer o apoio dado pelo Governo português à criação de uma lista transnacional nas eleições europeias.

JF (MC/PMC) // CSJ

Lusa/fim

+ notícias: Política

CTT mantêm serviços em 14 localidades onde vão encerrar instalações

Os CTT pretendem avançar com 14 novos pontos de acesso em localidades onde irão encerrar instalações, cuja abertura ainda está a ser negociada com autarquias e entidades comerciais, informou hoje a empresa.

Vieira da Silva diz que "Governo não empurrou a Santa Casa para coisa nenhuma"

O ministro do Trabalho e Solidariedade disse esta quarta-feira que "o Governo não empurrou a Santa Casa para coisa nenhuma" e que o que houve foi uma "sugestão", tendo acrescentando que não há um valor definido para o eventual investimento no Montepio.

Salvador Malheiro não está preocupado com a polémica da 'carrinha' no dia das eleições do PSD

Salvador Malheiro diz que não está preocupado com o facto de alguns militantes social-democratas terem sido transportados para as urnas por uma carrinha de uma associação local. O caso foi denunciado pelo jornal online Observador, após as eleições diretas do partido. O diretor nacional de campanha de Rui Rio desvaloriza a acusação de caciquismo em Ovar.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.