Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Temos de crescer um bocadinho mais para reduzir a dívida - Presidente da República

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 14 nov (Lusa) - O Presidente da República considerou hoje que os dados do crescimento económico divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram "uma trajetória positiva", mas que Portugal tem de "crescer um bocadinho mais" para reduzir a dívida.

"Eu diria que é uma trajetória positiva, que ainda não é suficiente para o grande objetivo de que falava ontem [segunda-feira] o ministro das Finanças, que é conseguirmos ir reduzindo claramente a nossa dívida pública. Temos de crescer um bocadinho mais", declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

Segundo o chefe de Estado, que falava aos jornalistas, no final de uma visita à Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP), em Lisboa, os dados do INE indicam que "a trajetória mantém-se", mas dão "sinais que são mistos".

"Relativamente ao trimestre anterior, há um sinal positivo, porque tinha-se crescido 0,3%, agora cresce-se 0,5%. Relativamente ao ano anterior, em que tinha havido um crescimento muito grande, como se lembram, na ponta final do ano, aí o crescimento continua a ser bom, 2,5%, mas queremos mais", declarou.

O Presidente da República reforçou esta mensagem, acrescentando: "Queremos mais, eu quero mais. Vamos ver se é possível mais, porque depende também um bocadinho do crescimento da Europa e do crescimento à escala mundial".

IEL // JPS

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Estado português pode ter sido lesado em 600 mil euros em esquema de fraude fiscal

A Autoridade Tributária está a investigar um alegado esquema de fraude fiscal à escala europeia, que terá lesado o Estado Português em 600 mil euros. O suspeito é o grupo informático Mbit, que diz "estranhar" a investigação.

Preços da habitação aumentam 12,2% no 1º trimestre, maior subida em oito anos

Os preços da habitação aumentaram 12,2% até março, em termos homólogos, pelo quinto trimestre consecutivo, acelerando face à subida de 10,5% do trimestre anterior e crescendo ao ritmo mais alto em pelo menos oito anos, divulgou hoje o INE.

Municípios periféricos de Lisboa com aumento da procura e do preço das casas

Os municípios de Oeiras, Amadora e Odivelas, situados na periferia da cidade de Lisboa, vivem hoje uma nova dinâmica no setor da habitação, com o aumento da procura e do preço dos imóveis, verificando-se o retomar da construção.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.