Jornal Diário Jornal das 13

Temos de crescer um bocadinho mais para reduzir a dívida - Presidente da República

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 14 nov (Lusa) - O Presidente da República considerou hoje que os dados do crescimento económico divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram "uma trajetória positiva", mas que Portugal tem de "crescer um bocadinho mais" para reduzir a dívida.

"Eu diria que é uma trajetória positiva, que ainda não é suficiente para o grande objetivo de que falava ontem [segunda-feira] o ministro das Finanças, que é conseguirmos ir reduzindo claramente a nossa dívida pública. Temos de crescer um bocadinho mais", declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

Segundo o chefe de Estado, que falava aos jornalistas, no final de uma visita à Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP), em Lisboa, os dados do INE indicam que "a trajetória mantém-se", mas dão "sinais que são mistos".

"Relativamente ao trimestre anterior, há um sinal positivo, porque tinha-se crescido 0,3%, agora cresce-se 0,5%. Relativamente ao ano anterior, em que tinha havido um crescimento muito grande, como se lembram, na ponta final do ano, aí o crescimento continua a ser bom, 2,5%, mas queremos mais", declarou.

O Presidente da República reforçou esta mensagem, acrescentando: "Queremos mais, eu quero mais. Vamos ver se é possível mais, porque depende também um bocadinho do crescimento da Europa e do crescimento à escala mundial".

IEL // JPS

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

ASAE apreendeu cerca de 100 quilos de pescado em operação de fiscalização

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu cerca de 100 quilos de pescado e instaurou um processo-crime por contrafação no âmbito de uma operação de fiscalização em todo o país, que termina na sexta-feira.

Eixo Atlântico quer ligação direta entre a Linha do Minho e o Aeroporto do Porto

O eixo atlântico quer uma ligação direta entre a Linha do Minho e o Aeroporto do Porto. Esta é uma das propostas que o grupo de autarcas do Norte de Portugal e da Galiza já levou ao Ministro do Planeamento e das Infraestruturas e que pode vir a ser incluída no Programa Nacional de Investimentos 2030.

Hotéis com menor taxa de ocupação mas preços mais altos num julho "frio"

A taxa de ocupação na hotelaria portuguesa recuou 2,3 pontos percentuais em julho face ao mês homólogo, para 80%, mas o preço médio por quarto ocupado aumentou 11%, para 117 euros, divulgou esta segunda-feira a associação setorial.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.