Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Países emergentes da Ásia vão crescer 6,4% em 2017

| Economia
Porto Canal com Lusa

Manila, 14 nov (Lusa) -- Os países emergentes da Ásia, incluindo a China, Índia e as economias do Sudeste Asiático, vão crescer 6,4% este ano, acima de 1,1% na América Latina e de 3,4% em África, afirmou hoje a OCDE.

As previsões constam do relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) intitulado "Prognóstico económico para o Sudeste Asiático, China e Índia: promovendo o crescimento através da digitalização", apresentado hoje em Manila, nas Filipinas, no âmbito da cimeira da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN).

"Em 2017, prevê-se que o crescimento na China e na ASEAN se mantenha devido a um renovado e robusto consumo doméstico, enquanto se antecipa que o crescimento na Índia desacelere ligeiramente devido às reformas fiscais e monetárias", detalha Mario Pezzini, assessor especial da OCDE no documento.

Segundo o relatório, a rápida normalização da política monetária nos países desenvolvidos, o crescimento da dívida do setor privado e as expansivas restrições comerciais são os principais riscos para o crescimento.

A OCDE prevê que a economia chinesa cresça 6,8% em 2017 -- abaixo da média de 7,9% que a segunda potência mundial registou entre 2011 e 2015 --, prognosticando ainda um abrandamento do crescimento até 6,2% para o período 2018-2022.

A OCDE atribui a moderação do crescimento chinês a problemas de capacidade e vulnerabilidade do mercado financeiro, ao passo que o consumo privado, os investimentos e as exportações manter-se-ão em alta.

Já o Produto Interno Bruto (PIB) da Índia vai aumentar 6,6% este ano -- contra 7,1% em 2016 --, enquanto a projeção para o período 2018-2022 é de 7,3%.

O relatório avalia ainda positivamente a liberalização em algumas indústrias indianas, apesar de alertar que "maus ativos" nos bancos podem limitar a procura.

No caso da ASEAN, a OCDE prognostica para este ano um aumento de 5,1% do PIB do bloco regional e de 5,2% para o período 2018-2022.

A Birmânia, com 7,2%, é o país que mais vai crescer no seio do bloco de dez nações, seguindo-se o Camboja (7,1%), Laos (6,9%), Filipinas (6,6%), Vietname (6,3%), Malásia (5,5%), Indonésia (5%), Tailândia (3,8%), Singapura (3,2%) e Brunei, com crescimento zero.

A ASEAN, que este ano celebra o seu 50.º aniversário, ainda deve fazer mais progressos na eliminação de impostos comerciais, digitalizar a sua economia, liberalizar serviços e permitir o movimento de profissionais para avançar rumo à sua integração efetiva", de acordo com a OCDE.

O organismo multilateral realça a importância da digitalização da economia asiática, com a emergência do desenvolvimento de 'software' no Vietname, o setor de serviços na Internet nas Filipinas ou o pagamento digital na China.

Contudo, assinala que a Internet, pré-requisito para a digitalização, tem uma presença desigual na região: desde 81% em Singapura a 22% no Laos.

"A promoção do crescimento inclusivo através da digitalização exige reformas nas políticas de comércio e investimento, o desenvolvimento de infraestruturas e que se enfrentem os desafios do mercado laboral", de acordo com o relatório da OCDE.

DM // FV.

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Preços da habitação aumentam 12,2% no 1º trimestre, maior subida em oito anos

Os preços da habitação aumentaram 12,2% até março, em termos homólogos, pelo quinto trimestre consecutivo, acelerando face à subida de 10,5% do trimestre anterior e crescendo ao ritmo mais alto em pelo menos oito anos, divulgou hoje o INE.

Municípios periféricos de Lisboa com aumento da procura e do preço das casas

Os municípios de Oeiras, Amadora e Odivelas, situados na periferia da cidade de Lisboa, vivem hoje uma nova dinâmica no setor da habitação, com o aumento da procura e do preço dos imóveis, verificando-se o retomar da construção.

TAP garante que está a trabalhar para aumentar a pontualidade no aeroporto Francisco Sá Carneiro

Em reação ao relatório do Tribunal de Contas, o Ministro do Parlamento e das Infraestruturas garantiu que "não está prevista qualquer injeção de dinheiro" na TAP e que o Estado tem a mesma responsabilidade que qualquer acionista. Do lado da TAP, o presidente executivo diz que não há nenhuma área de negócios que não implique riscos, e que a empresa não é exceção.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.