Info

Legislação sobre acesso ao direito em fase de consolidação

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 10 nov (Lusa) - A ministra da Justiça disse hoje no parlamento que está em fase de consolidação a proposta legislativa sobre o acesso ao direito, que inclui as custas judiciais e as defesas oficiosas.

Questionada por vários deputados, nomeadamente António Filipe (PCP), Francisca Van Dunem explicou que o grupo de trabalho formado pelo Ministério da Justiça, Ordem dos Advogados e Segurança Social está a elaborar uma proposta legislativa com vista a haver um "acesso ao direito mais justo e equitativo, procedimentos mais simplificados e um apoio judiciário graduado em função dos rendimentos".

O deputado comunista avançou que o seu partido vai apresentar uma proposta para que as custas judiciais fiquem congeladas em 2018, à semelhança do que aconteceu este ano.

O Orçamento da justiça para 2018 prevê que um pouco mais de 109 milhões de euros das verbas próprias sejam provenientes das taxas de justiça.

Questionada sobre a reforma na área administrativa e tributária, a ministra disse que o pacote legislativo está pronto e destacou a criação de juízos especializados, uma das propostas dos dois grupos de trabalho que analisaram a situação dos tribunais.

Vários deputados questionaram a titular da pasta da Justiça sobre o recente relatório do sistema prisional, que detetou várias falhas, nomeadamente ao nível da segurança.

Van Dunem respondeu que o orçamento de 2018 prevê 3,5 milhões de euros para obras nos edifícios prisionais.

Numa das ultimas intervenções, o deputado Fernando Negrão (PSD) ironizou que a ministra teve a coragem ao defender no parlamento "não o Orçamento do Estado para 2018, mas um palpite para a justiça", mostrando-se ainda preocupado com as verbas para o Ministério Público só tenham um acréscimo de 2,8% depois de 4% em 2017, lembrando que é o MP que tem a direção de toda a investigação criminal em Portugal.

Sobre as verbas para a alimentação dos reclusos, Fernando Negrão referiu que a dotação "desceu para metade do mínimo dos seis anos anteriores", e que depois de este ano ter sido de 17,4 ME, estão previstos apenas 6,6 milhões de euros para 2018, questionando se a ministra conseguirá fazer "o milagre da multiplicação dos pães".

A deputada do CDS Vânia Dias da Silva considerou o documento "opaco" e lembrou que uma possível alteração no acesso ao direito e nas custas judiciais "não terá efeitos práticos" este ano.

"A justiça é o parente pobre deste Governo", criticou.

António Filipe considera que há condições para resolver alguns problemas, nomeadamente o descongelamento de carreiras e aprovação de estatutos dos magistrados, dos funcionários judiciais e dos registos e notariado.

Na resposta, Francisca Van Dunem disse que não dá palpites e o que diz "resulta de documentos e de factos com os quais trabalhou".

"Eu não palpito", disse a ministra, insistindo que este orçamento consolida os passos que foram dados e permite dar a volta à visão que os cidadãos têm da justiça".

A ministra foi ouvida em audição conjunta da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa e dos Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias.

FC/CC //

Lusa/fim

+ notícias: Política

Marcelo Rebelo de Sousa pede a Bombeiros e Governo que evitem afirmações que dificultem o diálogo

O Presidente da República apelou este domingo, a propósito do conflito entre Liga dos Bombeiros e Governo, para que todos os intervenientes evitem afirmações públicas que dificultem o diálogo neste "domínio muito sensível" da Proteção Civil.

Autarcas do Norte apresentam projeto para criar linha ferroviária Vale do Sousa

Vai ser apresentado, na próxima segunda-feira, um estudo preliminar sobre a desejada linha ferroviária do Vale do Sousa. Uma linha com 36 quilómetros que poderá custar cerca de 300 milhões de euros mas que pretende atravessar Valongo, Paredes, Paços de Ferreira, Lousada e Felgueiras.

Presidência da República confirma presença de Marcelo na posse de Jair Bolsonaro

A Presidência da República confirmou este sábado que o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, estará presente na posse de Jair Bolsonaro como Presidente do Brasil, no dia 01 de janeiro, em Brasília.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.