Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Exposição revela impacto da economia do açúcar na encomenda artística da Madeira

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 10 nov (Lusa) - A exposição "As ilhas do ouro branco - Encomenda Artística na Madeira (séculos XV-XVI)", com 86 obras de arte, vai ser inaugurada a 15 de novembro, no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, foi hoje anunciado.

A exposição - que revela o impacto da economia que envolvia o cultivo da cana-de-açúcar no arquipélago da Madeira, nos finais da primeira metade do século XV - ficará patente ao público de 16 novembro a 18 de março de 2018.

Trata-se da "grande exposição do MNAA, em dimensão e qualidade" da nova temporada do museu, como sublinhou à agência Lusa o diretor desta instituição, António Filipe Pimentel, quando foi anunciada a mostra, em setembro.

"Esta exposição será o rasgar do véu sobre uma realidade muito pouco conhecida que é a encomenda artística na Madeira", comentou o diretor do MNAA à Lusa, sobre a mostra, que apresenta quase uma centena de peças.

Proveniente da Ásia, o açúcar era conhecido na Europa como "ouro branco", devido ao seu valor e raridade, e terá sido o Infante D. Henrique a importar cana-de-açúcar da Sicília e a introduzir o seu cultivo na Madeira, um projeto de rápida expansão.

"Com o grande sucesso da economia do açúcar, deu-se um enorme desenvolvimento local na Madeira que proporcionou a aquisição, por parte de privados, de inúmeras obras de arte", recordou o responsável do museu.

No final do século XV, o açúcar do arquipélago chegava aos portos de Bruges e de Antuérpia, de Génova, Nápoles e Constantinopla.

Aumentou, assim, por toda a Europa, o consumo do "ouro branco", alterando hábitos alimentares e algumas práticas medicinais.

Em paralelo, "cresceu a importação para o arquipélago de bens destinados a satisfazer as devoções, e a definir o estatuto social dos novos grupos populacionais constituídos à sombra dos canaviais e da economia açucareira", recorda um texto do MNAA sobre a exposição.

Nas primeiras décadas do século XVI, a Madeira vivia um período de prosperidade económica sem precedentes e, nessa época, os ricos negociantes de açúcar importavam trípticos e retábulos de importantes pintores flamengos, esculturas religiosas e alfaias litúrgicas em ouro e prata.

Esta exposição vai marcar o arranque das Comemorações dos 600 Anos do Descobrimento da Madeira, sendo constituída por pintura, escultura, ourivesaria e artes decorativas, dos séculos XV e XVI, que ilustram a especificidade da encomenda artística madeirense a oficinas nacionais, espanholas e flamengas.

"As ilhas do ouro branco - Encomenda Artística na Madeira (séculos XV-XVI)" é comissariada por Fernando António Baptista Pereira e Francisco Clode de Sousa.

AG // MAG

Lusa/Fim

+ notícias: País

Sindicato entrega petição a presidente da Assembleia da República contra encerramentos dos CTT

O Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Correios e Telecomunicações (SNTC) entrega esta quarta-feira uma petição, com 8.600 assinaturas, ao presidente da Assembleia da República contra o encerramento de 22 estações, no âmbito de um plano de reestruturação da empresa.

Quercus alerta para "potencial cancerígeno" no material que está a substituir amianto nas escolas

O material que está a substituir o amianto nas escolas é "pontencialmente cancerígeno" e inflamavel. O alerta é da Associação Ambientalista Quercus.

Número de mortos na sequência de incêndio em Tondela sobe para nove

Um homem morreu hoje no Hospital de São João, Porto, na sequência do incêndio de sábado em Vila Nova da Rainha, Tondela, elevando para nove o número de vítimas mortais do sinistro, disse fonte hospitalar.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.