Info

Venezuela: Parlamento português aprova voto com "apelo ao diálogo democrático"

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 07 jul (Lusa) -- O parlamento português aprovou hoje um voto, do PSD e do CDS, de "apelo ao diálogo democrático" na Venezuela e rejeitou outro, do PCP, que condenava a "ação de grupos golpistas".

Esta é a quarta vez desde março que Assembleia da República discute, através de votos de pesar, a situação na Venezuela, onde vive uma grande comunidade portuguesa, e, mais uma vez, verificou-se uma clara divisão entre esquerda e direita.

No debate, no parlamento, o deputado do CDS Telmo Correia qualificou o "regime" venezuelano de "ditadura" e recusou qualquer "manifestação de solidariedade", acusação feita pelo líder da bancada comunista, João Oliveira, a grupos terroristas.

Era a referência feita aos grupos que invadiram o parlamento venezuelano, apoiantes de Nicolas Maduro, por entre acusações de agressões a deputados e jornalistas.

João Oliveira lembrou que o governo de Maduro condenou esta ação e, como já fizera nos debates anteriores desde março, condenou a "ação violenta de grupos golpistas" e as "ingerências externas" no país.

PSD e PS foram diplomáticos, apelaram ao diálogo, embora o deputado socialista Paulo Pisco tenha admitido não ser possível desculpabilizar o governo pelos acontecimentos tumultuosos dos últimos meses que já fizeram mais de 100 mortos.

Todos os partidos expressaram a sua solidariedade para com a comunidade portuguesa e de lusodescendentes que vive na Venezuela, com o PSD a pedir ao Governo que "não baixe os braços" na sua defesa.

Na hora da votação, o voto de pesar do PSD e do CDS teve o apoio do PS, e foi aprovado.

O voto de condenação dos atos de violência contra a Venezuela, apresentado pelo PCP, foi chumbado, apesar dos votos da bancada comunista, BE e PEV, e teve os votos contra do PS, PSD e CDS.

NS // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

China confirma visita de delegação aos EUA para preparar encontro de alto nível

O Governo chinês confirmou esta terça-feira que uma delegação sua vai viajar para os Estados Unidos, visando preparar a reunião de alto nível que tentará, em outubro, concluir um acordo que ponha fim à guerra comercial.

Morreu o cantor Roberto Leal

O cantor Roberto Leal morreu na madrugada deste domingo em São Paulo, no Brasil, disse à agência Lusa o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

Manifestantes junto ao consulado britânico pedem que Reino Unido salve Hong Kong

Centenas de manifestantes estão reunidos no exterior do consulado britânico em Hong Kong, procurando apoio internacional na campanha que dura há mais de três meses por reformas democráticas no território semi-autónomo da China.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.