Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Governo aprova autorização legislativa para regular exercício de intermediário de crédito

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 18 mai (Lusa) -- O Governo aprovou hoje uma proposta de lei de autorização legislativa para regular o acesso e o exercício da atividade de intermediário de crédito e criar um regime de controlo de idoneidade.

Na reunião de hoje do Conselho de Ministros foi "aprovada uma proposta de lei de autorização legislativa que tem por objeto regular o acesso e o exercício da atividade de intermediário de crédito e da prestação de serviços de consultoria relativamente a contratos de crédito a celebrar com consumidores e instituir um regime de controlo de idoneidade, conhecimentos e competências e da isenção".

Segundo o comunicado da reunião, foi ainda aprovada a proposta de lei que transpõe parcialmente a diretiva comunitária 2014/91/EU, "visando a regulação das políticas de remuneração das entidades gestoras de fundos de investimento, a intensificação dos requisitos e das obrigações dos depositários e o estabelecimento de um regime sancionatório substantivamente mais robusto e completo".

O Governo afirma que, assim, "dá mais um passo no sentido do reforço da segurança das poupanças aplicadas em fundos de investimento e da melhoria da confiança dos investidores".

CSJ // ATR

Lusa/Fim

+ notícias: Política

O que é um Governo sombra?

O novo líder do PSD estará a preparar um Governo sombra, à semelhança do que acontece no Reino Unido ou nos Estados Unidos. Trata-se de um conjunto de porta-vozes em diferentes setores da politica pública, chamados de ministros sombra, que têm como objetivo intensificar a oposição em cada uma das áreas em concreto.

Cristas quer "partido de todos" sem rótulos de partido de ricos, patrões ou quadros

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, defende na sua moção ao Congresso que o grande desafio dos centristas é afirmarem-se como "o partido de todos", ultrapassando rótulos de partido de quadros, ricos ou patrões.

Câmara do Porto disposta a pagar indemnização de 600 mil euros a empresas impedidas de construir parque na Boavista

A Câmara do Porto está disposta a pagar uma indemnização de 600 mil euros a duas empresas, que durante dez anos foram impedidas de construir um parque de estacionamento na Boavista. Em causa esteve a indefinição em torno das linhas do metro do Porto. A votação da proposta acabou por ser adiada, mas na reunião desta quinta-feira ficou claro que a oposição não concorda que autarquia assuma responsabilidades no assunto.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.